quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Placa Preta - Novo Projeto de Lei - São Paulo

PROJETO DE LEI 01-0357/2010 do Vereador Dalton Silvano (PSDB)
“Estabelece novos parâmetros de emissão de gases para aprovação de veículos antigos na inspeção veicular da cidade de São Paulo”. A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO decreta:
Art. 1º A Prefeitura da Cidade de São Paulo deverá estabelecer novos parâmetros de emissão de gases para veículos antigos;
Art. 2º O programa que trata o Artigo 1º desta Lei abrange os veículos das décadas de 20, 30, 40, 50, 60 e 70;
Art. 3º Os novos parâmetros a serem estabelecidos deverão respeitar as características originais dos veículos que deverão ter, no mínimo, 80% de sua estrutura original de fábrica;
Art. 4º Não serão aceitos veículos antigos que tenham sua mecânica alterada com motores diferentes de sua concepção original;
Art. 5º Caberá à Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente regulamentar esta Lei no prazo máximo de 180 dias a partir de sua publicação no Diário Oficial do Município;
Art. 6º Até a normatização desta Lei, os veículos com fabricação nas décadas acima receberão selo provisório que permitirá seu trânsito na cidade de São Paulo;
Art. 7º Esta lei entrará em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Sala das Sessões, Às Comissões competentes."

A notícia me foi encaminhada pelo meu amigo Rubens Pacheco, mas não acredito que resolva o problema, afinal os carros com motores originais dessas décadas, tranquilamente conseguem o Certificado de Originalidade dando direito a placa preta, isentos da vistoria veicular. E quanto aos hots? Quem tem rodas esportivas, cor moderna e detalhes de carroceria, não apenas mudou isso no automóvel, o motor fatalmente foi alterado. Apenas uma minoria será beneficiada. E os caros com menos de 30 anos? Muitos dos quais já são objetos de coleção, como Escort e Kadett conversível, Opala, Fusca Itamar, Gol e seus derivados, principalmente os modelos Puma AMV, AM1, AM2, AM3 e AM4, que são encarados da mesma forma que os Puma antigos fabricados em São Paulo: veículos de coleção. Estes modelos fabricados no Paraná pela Alfa Metais, o mais velho tem no máximo 23 anos, eles continuarão penalizados? Minha preocupação é justamente com o modelos colecionáveis com menos de 30 anos, que estão fadados a sumirem da cidade de São Paulo.

7 comentários:

Sergio Tempo disse...

Felipe, o ideal era a tal falada "placa amarela ou azul", não lembro agora, que é para veiculos não originais, mas parece que não foi nem pra votação ainda.

Anônimo disse...

Cocordo contigo Felipe, essa lei chove no molhado, carros das decadas citadas com motor original e 80% de originalidade ja estao abarcados pela lei atual, podem ter a placa preta e ficar isentos da inspecao...o que o dignissimo vereador quer?? O problema sao os carros originais com menos de 30 anos...

abracos
Kleber

Adão Emilio disse...

como sempre so interesses obscuros.esta materia deveria ser descutida com os clubes de antigomobilistas, ai sim seria facil chegar a uma conclusao de como proceder.

Rafael Diresta Argemiro disse...

Felipe, bom dia meu amigo!

Eu só acho que, no caso dos mais novos, pelo menos alguns dos que citou como colecionáveis (Escort, Kadett, etc.) possuem motores de concepção mais moderna e que acredito que com uma boa revisão ainda conseguem se encaixar nos quadros de emissão aceitáveis. O problema já fica mesmo para os velhos motores VW-Ar, os 2 tempos das DKW, os V8 dos Maverick, Galaxie, Dodge, os GM (Opala, Chevette, etc). Esses, possuem configurações TOTALMENTE diferentes entre eles mas consideram apenas o ano e mais nada, como fazer um V8 emitir menos ou igual a um motor de Chevette pelo menos?
Pra mim, é nisso que deviam focar.
E como foi me dito em uma lista que participo, nos EUA as vistorias levam em conta a quilometragem do carro também, pois não fazem o teste com o carro com os limites do que o carro emitia quando novo, existe todo um estudo e um cálculo em cima disso, pra cada caso.


Abração,
Rafael Diresta Argemiro.
(Ainda livre disso por morar em Jaguariúna, AINDA)

Anônimo disse...

Felipe e amigos, bom dia;

Na esteira do comentário do Rafael, e pensando bem, tem mais duas coisas que preocupam:

1) QUEM vai atestar que os veículos possuem no mínimo, 80% de sua estrutura original de fábrica ?

Ou, o que é pior:

2) Não estaria sendo criado uma estrutura para que os veículos que já possuem a placa preta (e que hoje são isentos dessa inspeção) sejam tambem obrigados a submeter-se à inspeção ? Veja o que é citado no artigo 1º do projeto de Lei do vereador Dalton Silvano...

Sei lá, cada vez que é falado sobre esse assunto, tenho mais temor do que possa vir por aí.

Abraço e bom fim de semana a todos.

Rubens Pacheco Bastos Filho.
(Sujeito a inspeção por morar em SP, e pelo Puma não ter placa preta) rsrsrs

Rafael Diresta Argemiro disse...

Verdade, tem mais essa ainda...

iRineu disse...

Música de fundo para o tópico: Sinal da Paranóia (Som Nosso de Cada Dia).

:)

Só pra situar, um amigo meu tem um Passat GTS Pointer 1986 turbo nitro, com seguramente mais de 300 hp, que passa todo ano na inspeção do Controlar. Sem tramóia. Vai lá, faz o teste e passa.

Punto y basta.