quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Cuidados ao comprar o carro antigo - Puma

Comprar um Puma, como qualquer outro carro antigo não é tarefa das mais fáceis. Por isso aconselho sempre, procure entender do automóvel escolhido, pesquisando e sabendo detalhes que poderão ser importantes na aquisição, porque representam custos de alteração para originalidade ou mesmo conserto. As vezes são irreversíveis. Escolha o modelo que mais agrade, pesquise muito sobre esse modelo, estude bastante e vá a luta. Se errar em alguma coisa, as chances vão ser bem menores, do que daquele que não entende nada. Existe no mercado muitos belos Puma vendendo, com detalhes de carros mais modernos ou com peças que nunca foram Puma, mas o vendedor ilude com afirmações que parecem verdadeiras.
Então vamos ajudar um pouco com alguns itens, que não abrangem tudo, mas já é um começo.
O Puma quase não tem detalhes marcantes, mas os primeiros modelos 1968 até 1972 tinham o famoso bigode, um vinco na frente que corta o capô e vai para as laterais. Fazer esse vinco somente especialistas conseguem na forma, altura e espessura.
Nos modelos até 1973 existiam a bolha nos faróis. As bolhas de acrílico custam mais de meio salario mínimo e o principal é a funilaria e pintura se não existir. Assim como as lanternas dianteira, que diferem de 1968 até 1971, o modelo abaixo 1972 e os mais vistos, redondas a partir de 1973. Funilaria nesse item também custa.


As lanternas dos modelos de 1970 até 1976 1a. série são as da Variant e TL. Mas os painéis traseiros dos modelos de 1971 e 1972 são diferentes dos modelos 1973 em diante. O custo da volta a originalidade pode ser caro. Mas se apenas substituíram as lanternas de Variant por outras de Kombi, o serviço de funilaria é baixo, mas a repintura deve ser em toda a traseira.


A traseira dos modelos até 1980, como GTS e GTE tem as lanternas de Kombi. Já os modelos GTI e GTC 1980, modelo 1981 tem as lanternas de Brasília. Se estiverem trocados, a alteração consiste na substituição de toda a traseira, serviço que as vezes não compensa.

Os limpadores são outros vilões, principalmente os cruzados dos modelos 1968 até 1973 e alguns 1974. Esses limpadores não é fácil de conseguir e seus braços e palhetas vindas do Fissore DKW estão muito difíceis de conseguir. Se estiverem errados vai acarretar em sérios problemas de peças e funilaria.
Os limpadores a partir do começo de 1974, chamados de paralelos, não são tão raros como os anteriores, os braços podem ser feitos a partir dos limpadores de Opala e o mecanismo não é tão complexo. As palhetas ainda vendem regularmente sob o n° 130.


Maçanetas são sempre um grande vilão, seja por estarem erradas, necessitando de compra, funilaria e pintura ou pela raridade, como nos modelos de 1968 até 1972, as maçanetas de Fissore.










Detalhes como os espelhos não devem ser preocupantes, por ser uma peça relativamente barata e encontrada reproduções muito fiéis e de boa qualidade. A preocupação deve ser se o carro já está restaurado e o espelho estiver errado ou fora de posição. Uma mudança acarreta serviços de funilaria e pintura.

A capota é outro item a ser analisado. O tecido deve estar em boas condições e suas costuras nos lugares certos. A capota é como um terno, se as costuras estiverem mal feitas, o caimento não será perfeito. Olha-se a estrutura de articulação se não está podre ou muito enferrujada, isso representa custa. Se tiver a capota rígida que foi de linha de 1971 a 1976 1a. série, o valor aumenta bastante pela raridade da capota.






A cor é um dos grandes empecilhos para quem quer a placa preta. Um carro restaurado com cor moderna é muito bonito, mas não passa em avaliação para requisição da placa preta.


O painel mais complexo é do Puma 1968 com muitos detalhes, como metal em quase toda extensão, saídas de ar e madeira. No modelo 1969 a simplicidade tomou seu lugar e é fácil sua restauração. O vinil que cobre os painéis desde os primeiros até 1976 1a. série, mostra o estado do veículo de um modo geral. Se bem cuidado, esse vinil dura muitos anos, podendo permanecer por mais de 4o anos sem grandes alterações.
No painel de 1973 a 1976 1a. série o valor deve ser dado a sua aparência sem buracos de rádios ou outros, que custaram para serem arrumados. Já sua estrutura metálica quase sempre está em bom estado.
O painel de 1976 2a. série em diante são todos quase iguais, mudando alguns botões em 1979. O que se deve olhar é o seu estado geral, painéis quebrados quase sempre devem ser substituídos e custam caro.
Os bancos dos modelos 1968 até 1972 diferem entre si em pequenos detalhes, mas a estrutura é a mesma para todos. Os bancos mais caros da linha Puma.

Nos bancos do modelo de 1976 a 1979 as diferenças ficam por conta do tecido.


Os bancos do modelo 1980 em diante difere pelo reclinador de dois parafusos e tecido, o importante é a estrutura ser original e o reclinador, duas partes atualmente muito caras. O tecido, apesar da forração não custar menos que dois salários mínimos, ainda assim existe opções de trabalhos mais baratos.O console é uma parte que se deve tomar cuidado nos modelos de 1971 a 1976 1a. série, por ser um item caro. Já nos modelos posteriores o valor não é tão alto, mas pode ser considerado.


11 comentários:

sandrogte disse...

Ótima aula para os iniciantes em Puma.

Anônimo disse...

Felipe, gentileza abra seu email.
Obrigado,
Acacio.

Alvaro disse...

Felipe, excelente ajuda!!!

Poderia publicar no meu site? Isso ajuda muito.

Um grande abraço,

Alvaro
www.gasolinanosangue.blogspot.com

ReFibra disse...

ótima matéria, pois muitas pessoas acham que restaurar um Puma é a coisa mais facil que tem por ser fibra, comparam com valores de veiculos de lata. Não imaginam o trabalho manual que temos, pra fazer um encaixe da bolha do farol, o bigode sitado na materia, saias, encaixe das maçanetas do fissore,entradas de ar laterais (guelras de tubarão), lanternas dianteira da 72 e 69, ajuste de portas desalinhada, paralamas modificados... Tem também os consertos das trincas e as vezes uma laminação em partes grandes ou até substituição de partes do veiculo, onde não se tem uma parede lisa como latas de carro e no final ainda tem que ser desenhado na mão, ajustando vincos e frisos... tudo isso tem custo e não dá pra ser comparado com veiculo de lata...
então meus amigos... estejam cientes disso na hora de comprar e mandar consertar... não da pra desvalorizar o serviço da fibra tendo em conta a mão de obra pra deixar seu Puma num estado onde vc possa supervalorizar...

Felipe Nicoliello disse...

Sandro,
A intenção foi essa, porque recebo muitos e-mails de iniciantes que não sabem quase nada de Puma.
Alvaro,
Fica a vontade, está autorizado.
Refibra,
É isso mesmo, as vezes um trabalho maior que em carros de aço.

Paoluccio disse...

É por isso que um Puma raro e bem restaurado custa caro. Sô quem restaurou nos padrões originais
sabe o que se gasta pra fazer a coisa certa.

sandrogte disse...

Felipe como faço pra identificar o assoalho da marca Zito Pereira pra não comprar "gato por lebre".
Mandei a mesma pergunta no seu email pode responder onde for mais rápido, hehehehehe, obrigado

Felipe Nicoliello disse...

Sandro,
Normalmente os assoalhos Zito Pereira vinham com um selo colado com a marca do fabricante, não sei se ainda são assim, o melhor é escrever para o fabricante www.zitopereira.com.br

Deni disse...

Ótimo post!

LUIS WYNNS disse...

uma coisa que tem que se tomar muito cuidado é com a documentação, quando comprei o meu vi carro com todo tipo de documentação ate mesmo sem documentação, quando for so licenciamento atrazado e moleza, mais se tiver que tirar segunda via de recibo, ou carro placa amarela, o inviabiliza muito, outra coisa que é preciso tomar cuidado é com a numeração do chassis, os modelos com chassis de brasilia, a numeração custuma estar muito rala quase desaparecida, não sei porque, eu vi alguns chassis remarcados groceiramente, e bom tomar muito cuidado, eu aconselho antes de fechar o negocio procurar um despachante, de preferencia leva-lo pra conferir as numeraçoes, BOA SORTE!!!

walter ramos disse...

Uma materia sintetica e objetiva .
Ajuda muito a todos nos que vivemos e
curtimos esses belos carros.
BOLA DENTRO , felipe.

Walter