terça-feira, 20 de outubro de 2009

Matéria sobre Puma no Yahoo

Muitos amigos me mandaram o link aqui com a matéria "Conheça a Saga do Puma", escrita por Fernando Calmon. Não gosto de dar palpite na redação dos outros, mas acho que a maioria dos meus amigos esperam de mim uma avaliação, que faça abaixo, somente nos dados históricos que não procedem ou deixam alguma dúvida. O Fernando escreveu muito bem, com muitos dos dados corretos, mas sempre tem pêlo em ovo. O começo, onde diz: "Depois da Gurgel, a segunda mais importante fábrica brasileira de pequena série é a Puma", discordo e pergunto: - Por quê a Gurgel foi mais importante? Pela quantidade produzida? Isso é o mais importante em uma fábrica? Ou seria pela variedade de modelos? A Gurgel, que respeito muito, teve uma grande variedade, mas nem todos os modelos tiveram produção em linha. Já a Puma teve uma grande diversificação de produtos, indo de equipamentos, lazer até caminhões e ônibus. Não é questão de ser "bairrista" (puxar para o lado da Puma), e sim dar os devidos valores. Ao mesmo tempo em que a Puma tinha um grande carisma em todos os produtos lançados, como definiu bem meu amigo Ronaldo em conversas, sempre sofreu muito preconceito. Bom, intrigas de opinião de lado, vamos continuar. Ele comenta que em 1964 o GT Malzoni exibido no Salão... Em meus arquivos nunca tive essa afirmação. Também quando estive lá aos 9 anos de idade, ainda na Bienal do Parque Ibirapuera, não lembro de ter visto um novo esportivo, além do Willys Capeta e Uirapuru. Claro que eu não deixaria passar batido, ou meu pai não me levou nos cantos da exposição onde poderia estar. E se estava, seria o Malzoni IV, protótipo do GT Malzoni, que só ficou pronto no começo de 1965. E em 1965 já ganhava as ruas brasileiras. A quantidade produzida de GT Malzoni, tema já abordado aqui, foi de 49 unidades, e não 35 unidades como muitos afirmam. Continuando, em 1968 com o lançamento do Puma VW, esse não compartilhava o chassi do Fusca e sim do Karmann Ghia. Também não foi tão simples a compra da mecânica VW pela Puma. Para o fornecimento desta, a Puma teve que recorrer ao governo para fazer uma intervenção amistosa, porque a VW não queria fornecer a plataforma com mecânica completa. A Puma não redesenhou seus modelos por causa da segunda crise do petróleo e sim para atualização dos seus produtos. Se o motivo fosse esse, ela não lançaria em 1979, o novo esportivo de alto consumo de combustível, o GTB S2. E por último, os caminhões fabricados na Alfa Metais em Curitiba-PR foram até 1999, último ano de atividade Puma.

17 comentários:

Fernando Portilho disse...

Olá Felipe,
Mesmo sem ter lido "Conheça a Saga do Puma", coisa que ainda pretendo fazer, gostaria de fazer apenas um comentário sobre o Puma.
Por todas as importâncias relatadas, acrescente-se que foi o carro que levou a mundialmente conhecida e gigante Volkswagem, a fabricar um carro, diga-se de passagem de muito mal gosto chamado de SP2 para tentar tirar parte da fatia de mercado totalmente dominado pelo Puma.
Todo o meu respeito ao João Augusto Conrrado de Amaral Gurgel que considero um dos herois injustiçados de nossa história automobilística, mas, para falar do Puma e da Puma há de se conhecer a verdadeira história.
Quanto ao Fernando Calmon... nem tão brilhante assim!
Abraço, Fernando Portilho.

Felipe Nicoliello disse...

Fernando,
Defino suas palavras como: um comentário de fibra! Mas acho que pegou pesado com o Calmon, afinal quase tudo ele escreveu certinho e opiniões são opiniões, como a do VW SP2, que compartilho com você a mesma opinião, mas tem pessoas que são completamente o contrário, preferem o SP2 do que o Puma.

smarca disse...

Eu tenho um Puma e gosto muito dele.

Daí a falar que o SP2 é um carro de mal gosto é uma distância enorme.

Particularmente eu acho lindo e um belo carro o SP2, que, ao lado de um Puma (por sinal um Puma horrível e nada original) tem seu lugar no museu da VW na Alemanha.

Eu queria ter um SP2. Um "esportivo" (como o Puma) de lata.

Dr. JMM disse...

Bem, concordo com tudo. Mas tb sou fã do SP1/2. Óbvio que não tem o carisma de um felino, mas é um carro de respeito tb. Tive dois, novíssimos. Mas sou fã número zero dos pumas. hehehehehe.
É por isso que sobre certos assuntos fico calado. Em boca fechada, não se entra mosca. Me refiro ao jornalista da matéria em epígrafe que não conhecia tão a fundo a história do nosso felino.
Mas já ajudou, afinal "falem mal, mas falem de mim"..hehehehe

Alex disse...

o SemPotencia está super valorizado. Em uma coleção tem seu devido valor, mas aquela pegada esportiva no visual, só o puma mesmo.

smarca disse...

Plataforma é um assunto polêmico, por natureza.

Dizer que a plataforma do Karmann-Ghia é diferente da plataforma do Fusca, significa dizer que o assoalho do primeiro era mais largo que o do segundo.

Mas a plataforma era a mesma.

Recentemente saiu um artigo bem legal sobre plataforma escrita pelo Fabrício Samahá do BCWS aqui:

http://www2.uol.com.br/bestcars/editorial/atual.htm

Atentem para o detalhe da plataforma do Golf 97 e do primeiro Audi TT, dentre outras informações interessantes.

Seguindo esta lógica, o Fernando Calmon não errou em dizer que a plataforma era de Fusca, pelo contrário, valorizou sua matéria para o público leigo em detalhes e valorizou os Pumas.

Aliás, tenho contatos tanto com o Fabrício como com o Fernando, pessoas muito legais que já me responderam diversas dúvidas e nunca me deixaram sem resposta a nenhum e-mail enviado, ao contrário de outros famosos, diga-se de passagem, com os quais, por motivos óbvios não mais fiz contato e não faço questão de ler também.

Felipe Nicoliello disse...

Sandro,
Entre Fusca, Karmann Ghia, Variant, TL, SP2 e Brasília, dizer que a plataforma é a mesma, certo, mas quando nos referimos especificamente a um deles o correto seria dizer plataforma VW tipo..., porque o assoalho tras muitas diferenças entre si. Para simplificar dizemos "Plataforma de KG" ou "Plataforma de Brasília", porque o leigo quando for comprar um assoalho para seu Puma e o vendedor perguntar: - qual a plataforma? O leigo responde: -segundo o Calmon é de Fusca. O cara vai levar os assoalhos de Fusca e aí vai pedir para alguém explicar esta confusão.
Nos carros modernos, a gente não separa a plataforma do veículo, não enxerga e nem cita sua diferença, é apenas uma nomenclatura usada pela engenharia da montadora, para justificar o uso comum das mesmas peças, porque quando você vai comprar alguma peça do assoalho de um New Beatle, você não fala que é a plataforma do Golf ou Bora, você cita o nome do seu carro, porque se houver pequenas mudanças, não haverá erro.
Então ao meu ver, o Calmon estaria certo se utiliza-se o termo "Plataforma VW com motor a ar", bem genérico, mas correto!Assim mesmo se virem uma plataforma de Fusca 1950 e uma de um Fusca 1980, somente o conceito permanece mais nada, é tudo diferente.
Que tal se em minhas publicações futuras, não usar mais o nome plataforma e sim assoalho KG, Brasília, etc., aí um leigo compra um chassi completo de Karmann Ghia para colocar em um Puma 1977, claro que só vai trocar aquilo que muda, os assoalhos de Brasília e assim poder encaixar a carroceria. Mas e o resultado final, será o mesmo? Acho que não, porque a alavanca de cambio dele vai ficar enfiada no painel e o console vai ficar faltando pedaço para chegar no assoalho, você sabe por quê? Bem, como você diz que é tudo igual, só muda o assoalho, vamos deixar assim para ver o que acontece.

Dr. JMM disse...

hehhehe. concordo com o felipe. Ele como "escritor" precisaria ser mais preciso, ou mais amplo, não foi nenhum nem outro.

Jovino disse...

O Willis Capeta está aqui no Museu do Roberto Nasser, segundo ele me disse, depois de uma batalha de 12 anos, ele conseguiu resgatar o carro lá do Museu do Roberto Lee, em Caçapava e juntamente com ele trouxe outros Willis da década de 30, todos em regime de comodato cedito pela Ford do Brasil, donas dos carros.
O Capeta está perfeito, mas levaram dele as rodas, o volante e alguns outros acessórios.
Bom, ele conseguiu através de um ex fucionario da Willis, um monte de acessórios dele da época além de todo o projeto original e fotos do volante com o logo do Capeta, o qual, ele está fazendo um.
Jovino

smarca disse...

Felipe, o que comentei é que sendo um artigo genérico, a precisão das palavras não fez falta no artigo dele. Não acredito que alguém vá restaurar um Puma com base numa coluna solitária na internet.

Aqui sim, pois sendo um blog específico e conceituado sobre Pumas, referência para muitos, inclusive eu, faz muita diferença.

Mas sinto, pode ser só impressão, que é hora de dar um tempo.

Grande e sincero abraço!

Anônimo disse...

Acho isto tudo altamente positivo:

- "...qto mais discutirmos, mais definidas ficam todas as questões para todos!"

(Ronaldo)

Fernando Portilho disse...

Olá Felipe,
Concordo com o Ronaldo, "...qto mais discutirmos"...
Suas informações além de precisas, vem acompanhadas de um magnífico arquivo fotográfico.
Quem estiver restaurando com foco na originalidade, só irá ao erro se quiser.
Abraço, Fernando Portilho.

Felipe Nicoliello disse...

Sandro,

Distorções aqui, outras lá, vamos alterando as coisas.

Sabe aquele ditado popular: - quem conta um conto aumenta um ponto. E a história vai se alterando.

Quando eu publicar a resposta que o Calmon me deu em particular, você irá entender.

E aí, talvez quem vai dar um tempo serei eu, porque dá muro em ponta de faca é para masoquista!

smarca disse...

Grande Felipe.
Você acaba de receber um e-mail sobre toda esta história, onde comento que recebi também esta mesma resposta, a partir do e-mail de um tal de Ron para o Calmon.
Alguém que deve ter lido aqui e comentado com ele.
Quer saber?
Sabe que sou frequentador assíduo do seu blog e que admiro seu preciosismo com a marca Puma, simplesmente porque sou chato também, tentando colocar tudo em ordem nos mínimos detalhes, até onde a vista comum não alcança.
Vou continuar a zuar por aqui sim, até porque é divertido.
Gosto de emitir minha opinião, mesmo que ela não coincida com a maioria e mesmo que ela não coincida com o dono da casa (você), hehehe.
Grande abraço e deixa pra lá.

Anônimo disse...

Tb sou amigo do Calmon -seria eu o tal Ron citado acima?- como outros aqui tb são.

Como tb já citei aqui, estamos neste blog definindo 'a história da Puma q vai ficar para a história'.

De 73 a 79 qdo fui Eng° e Chefe da Engenharia da Puma ñ tinha mto espaço geral p/a Gurgel... após esse período a Puma estagnou. A Puma liderava!

A Gurgel ainda veio a conhecer tempos melhores, aumentou a produção com os minis, mas acabou perdendo o foco nos jipes e ñ se solidificou.

Como ñ sou historiador só procuro -aqui!-levar um pouco do que presenciei p/ colaborar com mais essa história automobilística:

- "Historiadores -como Ari Rocha, q prepara livro sobre a nossa indústria- terão, assim, mais um ponto de abastecimento e checagem de informações!"

(Ronaldo)

Felipe Nicoliello disse...

Sandro,
Se eu quisesse sigilo de minhas palavras, não teria publicado no blog. Pouco importa se alguém contou para o Calmon ou se ele viu por conta própria, tornei público neste canal, mas poderia ter feito como sempre fiz antes de ter o Puma Classic, colocava nos comentários das referidas publicações. Graças a esses meus comentários nos blogs dos outros, conheci um grande amigo, Mário Estivalét.
E por causa da minha inquietante busca pela história Puma, conheci há muito tempo, outro grande amigo, Ronaldo de Almeida Brochado.
Fiz a publicação não para agredir o Clamon, que também sabe muito sobre a história brasileira, mas para tentar corrigir e/ou esclarecer a história.
Aguarde nova publicação sobre o assunto, que ficará mais esclarecedor e assim vamos escrevendo a correta história Puma. Já quanto ao ponto de vista de cada um, isso não tem jeito, cada pessoa tem o seu.
Não se preocupe que continuará sendo meu amigo e esteja a vontade para zuar, no bom sentido, o quanto quiser, opiniões sempre são bem vindas.

NELSON FERREIRA disse...

Caro Felipe:

Esse seu blog é a melhor referencia para quem quer saber tudo(tudo mesmo) sobre Pumas.
Essa "discussão acalourada",serve para aumentar as nossas referencias sobre esse felino que tanto amamos. Aproveito para "cobrar" de voce:PORQUE VOCE NÃO LANÇA UM LIVRO SOBRE A HISTÓRIA DA PUMA?

Um abração:

Nelson Ferreira
Recife/PE.

P.S. -Quem também manda um abraço para voce é o Anchieta.