segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Número de Chassis - Identificação

Muitos me perguntam sobre número de chassis, diversos tipos de perguntas. Vejo que pouca gente conhece a sequência numérica adotada pela Puma.
Vamos as explicações.
O GT Malzoni e Puma GT DKW adotam a letra inicial "G" começando pela milhar. Então o primeiro foi n° G-1.000. O número do motor acompanhava o número do chassis. Nos primeiros Puma VW de 1968 iniciou-se o registro em livro - aquele que está até hoje com o Rossatto -para controle de fabricação. Para estas anotações foram adotados os números dos produtos, que começou no 001. O número do chassis sempre começou com SP 143... e alguma coisa. Era o chassis do VW Karmann Ghia cortado em 25 cm. O número do motor era a nomenclatura regida pela Volkswagen. Cada letra do motor representa um tipo, mas isso é outro assunto.
Nos Puma até meados dos anos 70, ainda com chassis Karmann Ghia, continuava o mesmo tipo de numeração.
A partir da adoção do chassis do VW Brasília, o número passou a começar por SP 102... e alguma coisa. O motor passou a ser nova concepção e nova sigla da VW.
No Puma GTB, que utilizava chassis próprio, a Puma adotou a série P8 - 0001, sendo "P" de projeto e 8 o número deste. No motor Chevrolet, a Puma gravava o mesmo número do chassis, afinal o motor Chevrolet vinha sem número.
Assim com o no GTB, o Puma GTB S2 começou com a sequência P15 - 0001, da mesma forma "P" de projeto e número deste desde da fundação da fabrica.
O Puma P-018, que utilizava o chassis do VW Brasília, tinha a sequência de numeração dos GTE e GTS, mudando apenas o número do produto que era específico do P-018. O motor do VW Brasília do P-018 também recebia a nomenclatura VW.
Após o fechamento da Puma em 1984, alguns P-018 foram montados no galpão da Lapa em São Paulo, por um diretor da fabrica e outros em Capivari-SP, onde a Puma planejava montar uma fabrica. Nestes casos o número do chassis começam com "W" e alguns podem ter outra nomenclatura, por serem edições especiais. Mas nunca poderão ter a nomenclatura "SP", apenas as primeiras 25 unidades montadas na Presidente Wilson receberam esta nomenclatura. Foram fabricados 51 a 55 Puma P-018, porque a partir do vigéssimo sexto, não há mais registro no livro da fabrica.

14 comentários:

Anônimo disse...

Isto é muito bem feito e explicado. Obrigado Felipe, agora eu entendo completamente o sistema.

Abraço
Jürgen

Anônimo disse...

Engraçado...a minha GTE 1974 tem a sigla SP na frente...

abs,
Hélcio.

Anônimo disse...

OPs...li correndo e entendi outra coisa, rsss...ta td certo com a minha.

abs,
Hélcio.

Anderson Lira disse...

Felipe,

as pumas com chassis de Karman Guia não apresentavam o "SP" na targeta de identificação? E este mesmo "SP" iria gravado na plaqueta rebitada no túnel do carro?

Felipe Nicoliello disse...

Exatamente Anderson,
Na plaqueta apenas o número, já no chassis as letras SP e número, pois esse modelo de numeração é que estava cadastrado no Denatran. A plaqueta é uma obrigatoriedade para as fabricas, mas somente consultada pelos orgãos, em casos especiais ou agente policial para conferência. Além disso, não existe um padrão para a plaqueta, ou pelo menos não existia, apenas a necessidade das informações de chassis, ano e fabricante. Nos Volks por exemplo, o número da carroceria não existe na plaqueta como no Puma.

Wagner disse...

Achei fantástico a descrição a respeito da sequencia em função dos anos e modelos mas ainda tenho uma dúvida.
Os tipos de letras,(ex arial, graffit,calibri etc) e tamanhos de altura(ex 5mm,6mm,7mm,etc), seguem algum padrão ?
ou isto não era padrão ?

Felipe Nicoliello disse...

Wagner,
Nas plaquetas tinham um tamanho padrão, já o tipo da letra era aquele que fabricavam para as esse tipo de ferramenta pinagem (um bastão de ferro com uma letra na ponta, pinavam letra por letra). No chassis o tamanho era maior, o tipo tb o mesmo, dependendo do fabricante, mas todos fabricavam mais ou menos letras e números iguais.

Wagner disse...

Valeu Felipe
Obrigado por ter sanado minhas duvidas quanto a esse tema tao polemico.
Abraços

Marcos Pastor disse...

Boa noite
Entendi perfeitamente a sequencia da coisa, a minha GTS 79 está aparentemente OK, porém tem como consultar nos registros o chassi e motor para ver se os que tenho no carro são originais ?
Abraço a Todos

Felipe Nicoliello disse...

Marcos,
Escreva para , que o Henrique Rossato fornece um Certificado com os dados do carro que saiu da fabrica por R$60,00. O pai dele era diretor da Alfa Metais e ficou com o livro de Registro.
Abraços
Felipe Nicoliello
www.pumaclassic.com.br

GUSTAVO SOARES disse...

Felipe,

Estou comprando um puma GTE 1974 e de acordo com seus comentarios, fiquei com uma grande duvida! No documento do veiculo (CRLV) consta as letras "SP + 143....", enquanto a numeração da plaqueta pinada com os números e rebitada no chassis so apresenta a sequencia de numero iniciado por 143........, pergunto: isto é possivel e está correto ou estou perante a uma adulteração grosseira?

Felipe Nicoliello disse...

Gustavo,
As plaquetas com o número do chassi eram rebitadas no túnel logo após o freio de mão.
Talvez tenham trocado o chassi e perderam a plaqueta, sendo colocada uma plaqueta nova, que não pinaram as letras "SP". Esta é a melhor situação que pode ter ocorrido.
Adulteração pode ter havido, se o Puma não corresponde ao ano e modelo que consta no documento. Os capôs e portas tem uma plaqueta com o número do produto e este deve ser igual ao da plaqueta de identificação que fica no porta-malas. Qq coisa escreva prá mim.

Ricardo Valladares disse...

Tenho um GTC ano 1985, o chassi começa com a letra W . Como posso ter detalhes da data de sua fabricação ?

Anônimo disse...

Bom dia....
tudo bem?
Como eu posso entrar em contato com o Rubens Rossato Filho?
Manda uma mensagem pra mim, fazendo favor. Eu tentei achar algum contato dele na net, mas não consegui.
66 9 9979 9485
Luiz Gustavo