sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Puma de corrida - GT DKW N° 42

Outro dia o Mauricio Morais me pediu alguma foto de um Puma GT DKW de corrida, pois havia pesquisado e encontrado somente fotos de GT Malzoni. A minha resposta foi certeira, apesar de checar antes para não cometer erros: não existiu! A explicação: como os Malzoni já estavam em desenvolvimento há pelo menos um ano antes do lançamento do Puma GT, ninguém queria um novo modelo, sem as reais certezas de ser mais rápido e ainda por cima, mais comprido e pouca coisa mais pesado. É óbvio, que mais cedo ou mais tarde, esse modelo entraria para as corridas, mas como sua vida foi muito curta (fabricado apenas em 1967), não houve interesse em desenvolvimento de um modelo condenado a morte. Interessante que todos sabiam que logo a Vemag deixaria de produzir o DKW (já absorvida pela VW), nos papos de bar a opinião era unânime, mas mesmo assim o Puma GT estourou nas vendas. Lógico, simpático, belo e moderno, a única coisa que estragava era o preço de aquisição. Voltando as corridas, nos grandes centros a busca para um novo carro era grande. A maior expectativa era em relação aos novos modelos que estavam chegando da Chevrolet (Opala) e Ford (Corcel), mas a grande surpresa foi o Puma GT VW, que chegou junto e de pronto começou a vencer corridas.
Então, Puma DKW de corrida só mesmo em categorias regionais, como as fotos abaixo, enviadas pelo meu amigo Alex Zanolla de Passo Fundo-RS:
"Encontrei as fotos cedidas gentilmente pelo Sr. Paulo Trevisan em nome do Museu do Automobilismo Brasileiro (www.meuseudoautomobilismo.com.br) de uma tradicional família da cidade de Passo Fundo de sobrenome Ughini. Eram dois irmãos que corriam com seus carros pelas estradas de terra da região. Ao que sei, eram grandes fãs de Puma, pois um deles até antes de falecer, há poucos anos, andava com seu Puma GTI originalíssimo. Também, convido o amigo que pense em fazer uma visita ao Rio Grande do Sul. Tenho certeza que na ocasião, conseguimos agendar uma visita no Museu com o Sr. Paulo."
Alex, podemos organizar uma excursão, afinal para quem gosta de corridas, o Museu de Passo Fundo é uma prato cheio de doces.

8 comentários:

Luby disse...

u tiveram uma vida curta

Luby disse...

Tive o prazer de ter tido um puma 67 todo original na epoca que um dkw pouco valia e depois que vendi ainda comprei um malzone 66 tb bem original ate com os furos do st antonio ( é mole ) mas é verdade sim nesta epoca estes carros não valiam quase nada e depois que fiz o Malzone e o vendi um amigo na epoca me levou pra ver o tal do ALfazone que estava largado em uma oficina no Lins de Vasconvcelos que mexia com Alfa mas como já estava de saco lotado de mexer com carros velhos nem me interesei o amigo Viola e que acabou comprando a raridade e o reformou e ate hoje pelo que sei ainda é o proprietario da raridade ....mas ai já é outra historia .

Mauricio Morais disse...

Felipe, por isso te admiro, você é um incansável pesquisador da causa pumística (inventei agora).
Como você vai fundo nos assuntos. Parabéns.

Josamar disse...

Felipe

Na 2ª foto enviada pelo pessoal do Museu do Automobilismo Brasileiro, pode-se ver que seguindo o Puma-DKW dos irmaõs Ughini vem no rastro da poeira o que me parece ser outro DKW-Malzone ou Puma, que ao que tudo indica era do Henrique Ivers, pela cor que era branca ou beje claro,que era a cor do seu Malzone e tb frente baixa.
Karl Ivers(pai) e Henrique Ivers (filho) foram os primeiros no sul a usar DKW em corridas, desde de os primórdios de 1.938 pois Karl Ivers foi o 1º representante da Auto Union no Sul, passando depois para DKW,e consequentemente para DKW-Malzone, DKW-Puma, e Puma-W, pois sempre tiveram concessionária autorizada dessas marcas.
Na inauguração do Autodromo de Tarumã em 1970, Henrique Ivers participou com um DKW-Malzone nº9 conforme lista dos inscritos nesse evento.
Jan Balder conhece bem a história deles pois é cunhado do Henrique. Vou procurar saber mais detalhes desse DKW-??? e depois informo.OK

Abr
Josamar

Agnaldo Murilo disse...

Mestre Felipe, por falar do Museu do Automobilismo, dias atrás, salvo engano, você mencionou algo sobre o museu da Ulbra. Pois é, veja a informação abaixo:
"A Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), de Canoas (RS), vai leiloar 270 modelos de veículos que compõem o maior museu de carros antigos da América Latina. São quatro andares com modelos que vão desde um Citroen Tourer, de 1925, até um Tatra T87, de 1947 (o mesmo usado pelos oficiais de Hitler). Nas fotos, um Rolls Royce Wraith, 1939, e um Leyland Roumaster, 1963. Por conta de uma dívida de aproximadamente R$ 2 bilhões com o governo federal, a Universidade está se desfazendo dos automóveis, em leilões que estão acontecendo em várias datas. Organizado pela Leilões Judiciais Serrano, de Maringá, o leilão do dia 5 de outubro (que será presencial, no o Canoas Parque Hotel, e online) oferecerá mais de 15 modelos, entre eles:

Rolls Royce Wraith, 1939, avaliado em R$ 250.000,00 (lance mínimo: R$ 225.000,00; Cadillac Eldorado, 1976, conversível, avaliado em R$ 130.000,00 (lance mínimo: R$ 117.000,00); Lincoln Continental, 1966, branco, avaliado em R$ 120.000,00 (lance mínimo: R$ 108.000,00); Cadillac Fúnebre, 1955, avaliado em R$ 100.000,00 (lance mínimo: R$ 90.000,00); Oldsmobile Cutlass 442, 1968, vermelho, avaliado em R$ 70.000,00 (lance mínimo: R$ 63.000,00); camioneta GM ambulância Belair, 1957, avaliada em R$ 85.000,00 (lance mínimo: R$ 76.500,00); Ford PickUp, 1931, vermelha, avaliada em R$ 35.000,00 (lance mínimo: R$ 31.500,00); caminhão de bombeiros Diamond, 1958, avaliado em R$ 60.000,00 (lance mínimo: R$ 54.000,00). Mais informações e fotos dos veículos: Leilões Judiciais Serrano - (44) 2101-9272"

http://www.leiloesjudiciais.com.br/leiloesonline/conteudo.php?pagina=leilao&leilao=192.

Abraço
Agnaldo Murilo
GTS 79 - Maringá, PR

Alex disse...

Josamar,
Vou tentar buscar mais alguma informação sobre estes Pumas dos Ughini. O próprio Paulo Trevisan dev saber bem as andanças desses carros, pois foi a família que repassou a ele estas fotos.

Tenho também outro conhecido, que deve ajudar muito com informações desta época, o Sr. Nelson Rocha.

Se souber de mais, mando um sinal de fumaça.

Forte Abraço!

Felipe Nicoliello disse...

Luby,
Se vc tivesse bola de cristal...
Mauríco,
Obrigado.
Josamar,
Como sempre conhece tuuuuuuudo! Obrigado pelas informações.
Agnaldo,
Postei logo no inicio dessa situação e retirei a postagem do ar, porque prefiri ficar fora desse enredo. Daqui em diante a triste história do Museu da Ulbra só vai piorar. Como não gosto de coisas ruins, fico a distancia. Mas obrigado pelas informações.

GP Oficina Mecânica disse...

Quanta coisa em 1 só post!

Primeiro a segunda foto da poeira... linda demais...

Luby, Quanto ao Alfazoni, muito legal a história, ele foi restaurado? esta em uma coleção particular?

Sou louco para visitar o Museu em Passo Fundo, mas nunca tive oportunidade, quem sabe não dou um jeitinho no fim do ano!

Abraços
Carlos Eduardo Szépkúthy