segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Detalhes GTS 1975

Um achado no Rio de Janeiro, conforme mensagem do meu amigo (?) Péricles:
"Ô Malacabado, 'Prá' você parar de me dar bronca vou mandar - em partes - uma sequência de fotos para teus arquivos.
Em uma das oficinas que estamos usando para restaurar nossos Pumas, chegou esta semana um GTS 1975 que estava parado há 15 anos em uma garagem (é, ainda existem destas coisas...). O carro estava totalmente original.
Pois bem, o capoteiro começou a desmontar a capota, laterais e etc.
Aí aproveitei para fotografar alguns itens interessantes que sempre servem para nossas orientações. Grande abraço Péricles"

Plaqueta original, como falamos anteriormente com a inscrição Puma Veículos e Motores S.A., a nova razão social da Puma, que tinha aberto o capital para acionistas.
A capota original vista por fora...
...E por dentro, com o acabamento interno do vinil em cinza, coisa que não existe mais.
A armação de ferro articulada da capota (pintada de cinza para combinar com a parte interna da capota) e o cajado. Reparem que no cajado existe um número (que foi devidamente alterado no fotoshop). Essa inscrição refere-se ao número do produto, pois cada cajado era ajustado de acordo com a carroceria. Assim todas as peças de fibra (capôs, portas e cajados, caso dos GTS) referentes aquele molde de carroceria, tinham moldes específicos destas, para a fabricação junto com a carroceria. Depois de laminados, recebiam o mesmo número de produto, evitando assim, demorados ajustes na hora do acabamento e montagem final.
O porta capota, um item opcional para os conversíveis, adorado por alguns, odiado por outros. No primeiro caso, adorado porque fica tudo arrumadinho, além de ter a opção de instalar autofalantes nele. No segundo caso, odiado por perder espaço para bagagem em viagens.
Os bancos com a forração e desenho original, válidos para os veículos GTE e GTS de 1975 até 1976 primeira série.
As laterais da porta, em courvin tipo "couro de porco", eram as mesmas desde 1973, assim como seu desenho.
Os cintos de segurança, idênticos a linha VW, somente diferenciado pelo emblema da fera. Utilizados de 1975 até meados de 1977.
O assoalho original, com os calços para encaixe dos pinos traseiros dos bancos. Nos anos anteriores, 73 a 74, este encaixe era um corte no assoalho com um ressalto, ficando o pino exposto ao tempo.
O detalhe da tubulação de combustível aparente, diferentemente da linha VW, que era embutido no túnel central. Isso se deve ao fato do corte da plataforma em 250 mm executado pela Puma, dificultando a permanência do tubo original. Assim a Puma promovia aquilo que era feito na manutenção de todos os VW, ou seja, quando furava este cano, era substituído e colocado por fora do túnel.
O cinzeiro do console, oriundo dos Chevrolet Opala Cupê. No Puma era pintado de preto, como a peça é em inox, muito difícil a permanência da tinta nesse tipo de material, sendo que com o uso e passar do tempo, ele vai voltado a forma original Chevrolet.
Pouca gente sabe, mas todo Puma tem inscrição do produto nas portas. Eles estão pinados na travessa que segura a máquina de vidros, por trás da forração.
No detalhe, com o n° devidamente "fotoshop-iado".
Na caixa de ar de refrigeração do motor era colocado um adesivo com o logotipo Puma...
...Assim como neste motor já restaurado.

6 comentários:

Fabio disse...

Felipe a minha Tubarão 1976 tem o cano de combustível interno no túnel esta correto?
Fantástica a matéria ótima fonte de informação!

Hélcio disse...

Simplesmente Lindo!

abraços!
Hélcio.

branquinho disse...

Lindo e inspirador, principalmente para mim... fiquei curioso em saber qual o número deste GTS pra ver se está perto do meu...
Abraços e obrigado :)

Anônimo disse...

Felipe boa tarde
como era a fixação dianteira do banco nessa GTS75. Acabei de comprar uma 76 1ª série e vou trocar o assoalho. Gostaria de detalhes d fixação dos bancos para deixar proximo do original.

Anônimo disse...

Caro Felipe,
Aquela tubulação que aparece nas fotos não é do líquido de freio?

Felipe Nicoliello disse...

Anonimo,

Não identifiquei. Tem um tubo que passa no assoalho, que é o condutor de gasolina, que originalmente passa por dentro do túnel, mas quando fura, não dá para ser substituído e os mecânicos passam por dentro do carro.