quinta-feira, 12 de abril de 2012

Puma de amigo - GTS 1979 Verde Cactus

Hoje recebi a solicitação de um amigo para vistoriar um  Puma GTS 1979 de um amigo dele. Para minha surpresa a rara cor Verde Cactus, que havia sumido dos Puma existentes. E surpresa maior foi ver a capota bege, logo imaginando se tratar de um modelo monocromático. As surpresas não pararam aí, a cada detalhe meu espanto era cada vez maior. Como o Puma sempre foi sempre do mesmo dono, o qual nunca ligou muito para mantê-lo sempre brilhante e arrumado, o Puma foi pouco mexido, mantendo sua originalidade. 
 A pintura ainda original, fora alguns poucos polimentos, ela ainda resiste depois de longos 33 anos.
 Em todos os detalhes as peças originais, como para-choques, lanternas dianteiras e laterais, rodas, etc.
 Até na postura o Puma impõe originalidade. As suspensões ainda em forma como quando saiu de fabrica.
 Algumas partes da pintura sofreram a ação do tempo...
 ... E as lentes das lanternas traseiras foram substituídas por novas tricolores, quando deveriam ser  bicolores.
 A carroceria tem um alinhamento de mocinha, nunca sofreu nada que pudesse arranhá-la.
 Em todos os detalhes, o que sempre foi falado aqui, em 1979 tudo que era cromado foi pintado de preto, como a moldura do botão da maçaneta...
 ... Os emblemas e dobradiças do capô traseiro...
 ... E a capota bege, exclusiva dos modelos monocromáticos.
 Pelo porta-malas dá para ter ideia do pouco uso do Puma, que não recebeu muito carinho.
 No motor não poderia ser diferente, tudo original. Inclusive o distribuidor centrífugo, que ao longo do tempo, os mecânicos tiveram por diversos motivos, mas nenhum justificável.
 A plaqueta para nova e por ela sabemos que nunca foi mexida ou recebeu algum retoque em sua volta. O quantil, ainda original, é mostrado no detalhe a sua fina gramatura, não como insistem alguns restauradores em mudar isso, executando aplicações de quantil com gramaturas grandes, parecendo que foi benzido com o pincel.
 Indo para o interior do Puma, começando com as laterais de porta de courvin marrom, com costura eletrônica e apoio de braço vindo da linha Fusca monocromática, material que desbota com o tempo.
 Apenas o volante foi substituído por um modelo mais moderno e a bolota da alavanca de cambio do    modelo de Puma mais novo. A original seria da linha VW Brasília na cor marrom, mas sabemos que essa bolota quebrava a parte superior.
 Incrível, apesar de desgastado, o tapete é original com sua parte de borracha frisada.
 A tampa do portaluvas sofreu algum dano, mas não foi consertada e sumiram as chapinhas dos botões do painel. Melhor assim que substituir por um modelo ou coisa não original.
 Console original em plástico, só que marrom do modelo monocromático.
 Ah... os bancos, não estão alinhadinhos como novos, mas são originais inclusive no tecido. Os reclinadores eram os milimétricos, um dos dois modelos que a Puma oferecia, a partir de 1979.
 Os cintos de segurança originais na cor marrom.
 
 O detalhe do material da cinta, quase um dourado.
 Não tinha cintos de segurança de três pontos e as partes eram fixadas na coluna inferior da lateral e túnel central do chassis.
 O carpete "cabelo de nega" Tabacow na cor marrom.
 E o espelho retrovisor dia e noite, não poderia deixar de acompanhar os outros detalhes, também marrom.
 Um detalhe que ainda resiste ao tempo, a antena de molinha, muito usada no final da década de 70. Só que essa antena não era grande coisa e com vandalismo era um alvo fácil. Essa é daquelas de dois estágios, mais difícil de conservar, porque para abaixar esse estágio, ela costumava entortar se não usássemos as duas mãos. O friso do para-brisa pintado de preto foi abandonado quando trocaram a borracha há muitos anos.

29 comentários:

thiago disse...

Ainda quero descobrir onde e como os caras acham essas raridades, rs.

Anônimo disse...

Este teve a placa preta aprovada?
Vecchio

iRineu disse...

Espero que a avaliação desse carro tenha sido boa e condizente com o grau de originalidade demonstrado a despeito do desgaste, melhor dito como a marca de ter sido, digamos, degustado no correr dos anos. Queria eu ter um carro assim...

luis wynns disse...

Amigo Felipe, vc poderia definir "alinhamento de mocinha"

Anônimo disse...

Brilham os olhos em ver um carro com tantos detalhes. Lacrimejam os olhos em ver o carro "jogado".

Alex Zanolla

Glauber disse...

Nossa... esse carro, que é do mesmo ano que o meu, veio no momento exato! Minha tapeçaria ainda está sendo feita e todos esses detalhes vão ajudar muito!
Eu acho que o fato de o carro estar "jogado" é bom e ruim. A Puma que eu comprei era muito bem cuidada, mas por isso cada dono inventou de fazer uma coisa nela, e a originalidade foi se perdendo. Um carro "jogado" pode não estar bonito, mas tem mais chance de estar original.
Felipe, me desculpe pela quantidade de perguntas, mas ao ensejo desse post é inevitável tirar algumas dúvidas... Não é por mim, é pro bem do meu felino!

1. As rodas deste carro estão em cinza? Será que foram pintadas ou isto pode ser original?
2. O espelho, aqui, é o "flag", correto? Ele deve ter sido trocado. Só do lado direito mesmo?
3. O emblema traseiro parece ser em metal na foto. O correto é metal ou plástico?
4. O respiro do tanque de combustível está curto. Há um post dizendo que nesse ano ele é longo. Será que não há carros originais com o respiro curto?
5. A soleira da porta está em metal, como a minha. O correto é borracha ou metal?
6. Nas laterais à frente da porta, há uma peça de vinil. Nelas não havia uma cortininha, como no outro monocromático do Ricardo Gurgel?
7. De novo, no assoalho, parece haver um tapete, em tecido cabelo de nega, em cima do carpete. Isso está correto ou é só impressão minha? O que há abaixo desse tapete?
8. Os cintos parecem ser originais até no tecido. Só que eles estão invertidos, com a peça de plástico virada pro console. Não acredito que o proprietário tenha trocado só isso, deixando o tecido. Será que essa disposição de cintos não seria original? Porque a Puma do Tatu não está assim, mas a do José Francisco Dias Toledo está...
7. O espelho dia/noite é original? De que carro ele vem?

De novo, desculpe tantas perguntas... E parabéns a você pelo site e pelo post, e ao proprietário pelo originalíssimo carro!

Um abraço, Glauber

Anônimo disse...

Felipe, excelente matéria. Meu Puma é um GTS 78/79 e a matéria veio tirar uma dúvida que sempre tive, que era a respeito dos bancos. O meu também é do tipo milimétrico, mas tinha dúvidas se era original, já que é igual a cabeça de bacalhau, a gente sabe que existe, mas nunca vê. Os meus bancos são iguais a esses do Verde Cactus, portanto originais. O bom do carro ano 78 e modelo 79 é que se pode ter o melhor de duas gerações, como por exemplo o painel, que no meu é do 78 (mais clássico), e o volante, que é do 79 (3 raios), dentre outras coisas. Parabéns ao proprietário do carro por ter preservado sua originalidade! Abraços! Paulo - Fpolis/SC

Anônimo disse...

Ah... Tinha esquecido de mencionar no post anterior, a borracha do parabrisa do meu 78/79 é igual a essa do Verde Cactus, larga e frisada, mas sem o tal friso de metal pintado de preto. Detalhe é que o vidro ainda é o original, o que me leva a acreditar que a borracha também seja. Felipe, você tem certeza que a borracha do parabrisa do Verde Cactus foi trocada, ou seria original? Valeu! Paulo Fpolis/SC

Glauber disse...

Acabo de ver que esse carro tem a cortininha na lateral, está claro numa das fotos que eu não tinha observado... Cancele essa pergunta, rsrs...

Paulo, a borracha do meu para-brisa é lisa e o vidro é original também... Acho que esse é um trabalho para o Super-Felipe!

Anônimo disse...

Felipe esse console é de brasilia, ou exclusivo Puma

Flávio disse...

Felipe!
Com relação ao assunto dos detalhes pintados em preto,como frisos,emblemas etc.
Tenho informação que este procedimento adotado pela PUMA foi á partir do segundo semestre de 79,no primeiro semestre os detalhes ainda eram cromados? Confere?

Felipe Nicoliello disse...

Thiago,
Muitos ainda estão com o mesmo dono por mais de vinte anos.
Vecchio,
Está em análise, mas certamente será aprovado.
Irineu,
Certamente.
Luís,
Como sempre me testando...
Alinhamento de mocinha é um modo carinhoso de comparação com os jovens, que na sua grande maioria tem tudo no lugar, não tem nada quebrado ou defeituoso, corpos em forma e saudáveis. Já dê nós dois não podemos falar a mesma coisa, né?
Zanolla,
Tenho o mesmo pensamento, mas as lágrimas são apenas pela limpeza, porque sou favorável a tudo original, peças originais e não reproduções, mesmo que tenham marcas do tempo.
Glauber,
1. Elas devem ter sido pintadas ao longo do tempo. Isso que dá qdo começa a conservar um carro, as coisas vão mudando sutilmente.
2. Foi trocado tb, esse modelo era idêntico dao Alfa TI4.
3. Esse não é de metal, é de plástico, original.
4. Sim há, alikás vou retirar aquele post ou retificar pq fica gerando confusões. O curto é da grande maioria dos Puma.
5. Não vi nada de metal na soleira, era plásticão mesmo e olha que estive pertinho dela.
6.Não entendi.
7. Sim há um "tapete". Nessa área, assim como o do motorista e os traseiros, o carpete é recortado na forma de um tapete, embaixo está o assoalho. Se fosse tudo fixo, na hora de trocar teria que trocar tudo e assim vc só troca a parte que desgastou.
8. Acho que isso nem os ex-funcionários da Puma vão lembrar, se houve alguma modificação na linha de montagem, por algum motivo qualquer, só aquele que deu a ordem pode dizer e explicar o fato. Nisso acredito ser muito preciosismo, a não ser que invertido não funcione direito.
7. Não seira 9?
9. O espelho interno é original e vem da linha VW. Está na programação uma matéria sobre o assunto, o problema é tempo.
Obrigado.
Paulo,
Essa borracha frisada é mais recente e como Puma entra água no para-brisa (por erro de projeto e não de vedação), logo todos os profissionais aconselhavam trocar as borrachas.
Glauber, Ainda bem pq não entendi nada dessa cortininha.
A borracha lisa, baita borrachão é mais recente ainda, essa é dos anos 90 prá cá.
Anônimo por que não colocou o nome, odeio escrever essa palavra, mas vamos lá.
O Console é exclusivo de Puma, o VW Brasília nunca teve console originalmente, nem no último modelo.

Glauber disse...

Muitíssimo obrigado pelas respostas, gan-mestre!

Felipe Nicoliello disse...

Flávio,
O seu comentário entrou enquanto estava respondendo.
Claro que em algum momento mudou, como naquela época foi o começo da adoção ano tal, modelo tal, não havia a política do modelo do ano vindouro conter as mudanças programadas a partir dali, como fazem as atuais montadoras, balizando o mercado.
Afirmar exatamente que só a partir do segundo semestre houve mudanças sutis, a fonte tem que ser muito boa ou ter documentação verdadeira, porque senão parece aquelas coisas para justificar o carro que está errado.
Se assim for, eu só vejo Puma original do segundo semestre, os do primeiro mataram todos.
E tem mais, todos sabemos que naqueles tempos não tinha nada de digital ou rapidez, as fotos dos anúncios eram feitas em cromo, que levava tempo para o fotografo realizar o trabalho, revelar e entregar para a agência, depois eram feitos fotolitos para impressão das folhas das revistas em suas gráficas, então eles sempre pediam dois meses de antecedência para fechar a publicação e se tivesse o fotolito pronto um mês no mínimo. E aqui http://www.pumaclassic.com.br/2010/04/puma-gte-1979-detalhes-em-preto.html vc verá uma propaganda Puma publicada na Veja em maio de 1979, com o Puma tendo todos os detalhes em preto fosco.
Eu ainda prefiro minha teoria.

smarca disse...

Eu estava só observando o Puma em questão, as perguntas e as respostas que viriam.

Sem dúvida é um belo exemplar.

Mas, o Felipe que me perdoe, manter um carpete puído e furado só porque é original me parece um contra senso.

Fora a limpeza e o cuidado que um PP deve ter e que, apenas pelas fotos e na minha opinião pessoal, esse Puma AINDA não teve.

Detalhe grosseiro que salta à vista são os pedais do freio e embreagem sem a almofada de borracha, fora outros que o próprio Felipe comentou no post.

Primeiro uma repintura na cor original, depois a tapeçaria e, finalmente uma limpeza digna do carro e alguns detalhes, para depois submeter a análise.

Carro PP para mim, antes de tudo minuciosamente original tem que demonstrar cuidado, muito cuidado.

Não é a lei, eu sei. Mas é a minha opinião.

Senão fica parecendo mais um ninho de ratos, pô!

smarca disse...

E vai dar polêmica, eu sei.

Mas é a minha opinião.

Aproveitando o embalo, já vi um Puma PP aqui neste blog, dito perfeito, mas alguém que já viu o carro pessoalmente no Anhembi me contou que pessoalmente o carro mais parece um lixo de tanta coisa estragada e porcamente suja.

Mas não darei nome aos bois, claro.

Seria um contra senso também, além de anti ético.

Da mesma forma que alguns investem seu tempo e dinheiro buscando peças e mil detalhes para trazer seu carro à originalidade e se revoltam quando veem alguns PP sem a menor condição, eu incluso, também o carinho e o trato que alguns dão ao seu carro deveria revolta-los em relação à outros mal cuidados, jogados como se diz.

Pra mim é a mesma coisa.

No mais um excelente final de semana a todos!

Felipe Nicoliello disse...

Sandro,
Vc não dá nomes ao bois, mas fala:
" já vi um Puma PP aqui neste blog, dito perfeito," O Puma Classic sou eu e quem o escreve, por isso vc está falando mal de mim.
Se quiser falar mal, pode falar, o espaço aqui é democrático, mas cite o carro, as pessoas, motivos, etc., não apenas que o blog está falando coisas erradas. Dê defesa.
E tem mais, vale muito mais para mim, peças originais INTACTAS, como algumas existentes no Puma GT 1970 publicadas aqui, que peças novas de reproduções e limpinhas.
Vc gostaria que eu lhe criticasse por ter um Puma com toda a mecânica cromada, inclusive escapamento e com placa preta? Eu nunca lhe reprovei e muito menos lhe expus aos outros. Agora o fiz, pq vc não me deu outra alternativa.
Eu tinha outra consideração por vc Sandro Marcato.

smarca disse...

Caro amigo Felipe, se quiser levar por este lado, tudo bem.

Paramos aqui. Seu muito bem quando devo estar e não estar.

O fato de não mais postar no seu blog não mudará em nada a admiração que tenho por você e pelo seu trabalho.

Mas mantenho minha opinião: analisar um carro sujo, puído e provavelmente cheirando mal?

Sinto muito, mas não acho certo.

É muito mais errado do que ter um motor cromado, por sinal encerado esta semana.

Já imaginou um Puma jogado com PP? O nome Puma, em minha opinião é totalmente denegrido ao passar pelas vistas do público.

Bem ao contrário do que meu motor cromado, não somente isso, mas todo o carinho e infinitas horas que dispendo e que fazem as pessoas sonharem com um Puma, elevando a nobreza da marca.

Isso é a essência do carro antigo, na minha opinião, despertar admiração, desejo e saudosismo no público em geral.

E não nojo.

Pelo menos um mínimo de cuidado. Um mínimo!

De qualquer forma, eu não vi pessoalmente o Puma em questão, nem esse e nem o outro. Apenas fiquei com a informação de um amigo que viu pessoalmente e que me emitiu sua própria opinião.

Deixemos pra lá.

Um grande final de semana pra você e pra todos!

Flávio disse...

Pois é Felipe!
Acredito que esta questão dos detalhes cromados ou pretos vão continuar uma incognita,por que quando adquiri a minha GTS 79 ela possuia os frisos do para brisas polidos os emblemas do capô traseiro em metal,as maçanetas tambem são cromadas inclusive a tampa do porta luvas veio com a fechadura do Opala e com emblema preso a ela,mas como você em algum momento comentou que os proprietários trocavam a tampa com velcro pela de fechadura em função de segurança,preferi deixar assim pois acredito que realmente fica mais funcional e mais segura por se tratar de um carro sem teto.
Voltando aos detalhes polidos,o meu carro foi fabricado em maio de 79,por isto não sei bem ao certo de onde obtive esta informação de mudanças no segundo semestre,mas como o meu carro estva mais ou menos no estado deste GTS Verde Cactus eu acredito que os detalhes do carro sejam originais.

Grande abraço!

Felipe Nicoliello disse...

Sandro,
A questão desse Puma estar limpo ou não, de merecer a placa preta ou não, respeito sua opinião, com razões firmes e balizadas.
Mas minha indignação é a respeito da fofoca, pois o "alguém falou, de certa pessoa", isso para mim é fofoca e em sua resposta não argumentou nada concreto sobre essa minha indignação.
Não disse que esse carro vai ter a placa preta, afirmei ser um candidato, que está em estudo, mas continuo com minha posição, dou mais valor ao um item original não mexido, que outro descaracterizado.
Ali existe 33 anos de história, contada em cada desgaste e riscos. A limpeza é uma questão de cada proprietário, mas nada que não possa ser solicitado para nova avaliação.
Infelizmente aqui no Brasil o que enche os olhos são os "oros" (brilho) que cada carro tem e não suas marcas do tempo. A velhice com suas rugas também é bonita.

Márdel Paranhos Carvalho disse...

Prezado Felipe, limpo ou sujo é opção do proprietário, agora ter uma placa preta com itens fora do padrão de originalidade vai contra o que a legislação especifica para a obtenção do documento. Lembramos que vários clubes por este Brasil a fora perdem a credibilidade por fornecer o documento da placa preta sem observar os critérios exigidos (hoje tem carros com placa preta rebaixados, fuscas com pintura saia e blusa, fuscas com equipamentos de Porsche enfim tudo fora do padrão original), esta consideração esta sendo feita pois entendo seu posicionamento e concordo plenamente com ele, não querendo atritar com o amigo que pensa diferente mas o que vale é o grau de originalidade e não a limpesa ( a limpesa com certeza é bem vinda pois dá o toque de cuidado e carinho que o dono tem com seu carro, ou seja é a relação do prazer ligado a realização de um sonho).Hoje uma nova modalidade nos EUA se firma como a mais importante entre os antigomobilistas de lá, é a qual o carro deve ser mantido como veio de fábrica inclusive com sua pintura, frisos e forrações com seus desgastes em função de anos de existência.
Felipe continue assim informando e fazendo sempre referências ao original pois sem dúvida nenhuma é a essência da placa preta, bom final de semana!

smarca disse...

Caro Felipe, não é a limpeza a questão mais importante neste Puma, mas itens fora daquilo que considero um padrão de originalidade (abaixo comento sobre o que penso sobre a nova modalidade dos antigomobilistas yankees citada), afinal não creio que a Puma colocava seus carros na concessionária com pintura e carpete neste estado, só para ficarmos nestes 2 exemplos. Isso, sempre frizando, é minha opinião. Pode até ser um carro original, mas não está em condições de quando saiu de fábrica, longe disso.

Sobre o que chamou de fofoca posso até admitir que não agi da maneira mais correta e peço desculpas. Deveria ter guardado para mim. Mas não vem mais ao caso, o que está feito, está feito.

Sobre essa nova modalidade citada pelo Mardel, em minha opinião trata-se apenas de uma nova modalidade comercial, apenas isso. Senão vejamos, alguém tem um carro totalmente puído, praticamente sem pintura, jogado há anos em alguma garagem que demandaria uma verdadeira restauração, e a partir de um novo movimento mercadológico, sem que nada tenha sido feito no carro, exceto talvdz uma revisão mecânica para faze-lo andar, o mais simples de fazer, diga-se de passagem, passa a ter um valor de mercado mais alto. Para mim é apenas uma estratégia de alguns fortes antigomobilistas visando um lucro maior em carros antigos sem gastar quase nada neles, apenas fazendo-os andar. Andou tá pronto. Ora, faça-me o favor! Assim é fácil demais.

E, para ilustrar, seria praticamente impossível comprar um Opala nos anos 70 com o motor cromado, bem como qualquer outro carro GM, Ford, Volkswagen, etc. Também seria praticamente impossível encomendar um carro de qualquer grande montadora de uma cor exótica, diferente do padrão de produção.

Por outro lado, em relação às pequenas fábricas, incluindo a Puma, qualquer um que se dispusesse a pagar poderia encomendar um carro do jeito que quisesse. Essa é a essência da pequena fábrica. Vide a ex Chamonix, por exemplo, só para ficar em um exemplo recente, ou aquela outra que fabrica um esportivo atualmente mas me foge à memória agora.

Esse foi o argumento que recebi quando me foi oferecido a PP no meu Puma. Sim, me foi oferecido e eu imediatamente disse que não daria, indo imediatamente também mostrar meu motor cromado, mostrar os aros dos instrumentos do painel cromados, mostrar meu carpete cinza quando deveria ser preto, mostrar a pintura preta das rodas quando deveria ser um cinza médio metálico, mostrar o friso de alumínio que prende a capota de lona atrás pintado de preto epoxi quando deveria apenas estar polido, mostrar a antena embutida na borracha do para-brisa pois não quis furar a fibra e mostrar meu CD player com entrada USB que curto ouvindo músicas da época via pendrive. As músicas são originais, o CD player não, hehehe.

A despeito de todos os demais itens originais, todos os demais detalhes que puder pensar, mesmo aqueles que não consegue ver, como aqueles que estão por baixo de alguma coisa, dentro das portas, etc., e enquanto eu insistia nestes com ele sobre meus itens não originais, o presidente do clube ao qual me filiei contra argumentou como disse no parágrafo anterior. E não é um clubinho qualquer, pergunte ao Carlos Figueiredo, da GTB número 1, seu amigo também.

Não decidi na hora, pedi e pensei uma semana se deveria aceitar ou não e optei por aceitar a oferta.

E não me arrependo.

Só para ficar claro a questão da PP no meu Puma. E, pronto, agora, além de você e do item que mencionou (cromeação), eu descrevi todos os itens não originais no meu Puma.

Vou ficando por aqui, dando como encerrado este assunto e deixando que o tempo cude de tudo a partir de agora.

Grande abraço!

Felipe Nicoliello disse...

Márdel, obrigado.

Sandro,
Percebe-se que vc começou há pouco tempo no antigomobilismo e ainda tem muito por aprender.
Não cabe aqui uma resposta a altura, nem explicações, é perda de tempo, aliás acredito que nem esse irá conseguir fazer vc entender, porque conheço pessoas bem mais jovens que vc, em um nível muito superior de pensamento sobre antigomobilismo. Esses jovens, quando não sabem sobre qualquer assunto, eles perguntam e ouvem para aprender.

O que o Veteran Car Club de Campinas e Região fez em suas avaliações, assim como muitos outros clube da Federação, hoje não é tão simples como há pouco tempo. Há um ano ou mais, a FBVA tem em seu quadro, árbitros para as avaliações feitas pelos clubes. Eles aprovam ou não as avaliações, com fundamento no Manual do Avaliador.
Se fosse hoje, seu carro jamais passaria por essa arbitragem, aí eu queria ver a resposta e explicação que a pessoa que lhe ofereceu a PP iria lhe dar, já que se intitulou ele saber o que podia ou não para a PP.

Só mais uma coisinha: Na compra de um Puma podia tudo, sem exceção, até alterações de carroceria, todas FEITAS PELO CONCESSIONÁRIO. Na linha de montagem, ter algum item fora do padrão, é prejuízo certo. Agora para aqueles PEQUENOS fabricantes como a Chamonix, que construía seus carros artesanalmente, um a um, poderia se dar ao luxo de efetuar o gosto do cliente, desde que não altera-se peças importantes que envolvesse qualidade ou que não tivesse nas prateleiras.
Por falar em qualidade, em 1977 mandei cromar todo o motor do meu Fusca, coisa difícil de conseguir, já que as cromeadoras eram voltadas mais para objetos de decoração, do que peças automotivas. O preço para tal serviço era um absurdo com baixa qualidade, por isso que não víamos motores cromados nos anos 70, todos queriam, mas o resultado era péssimo. A própria Honda quando se instalou em Manaus nos anos 70 para fabricar motocicletas, teve que importar os escapamentos do Japão, porque todas as cromeadoras nacionais submetidas ao teste foram rejeitadas, e olha que tínhamos a respeitada Wolf no mercado nacional, mas não sei se participou dessa licitação.

smarca disse...

Felipe, percebe-se que você reluta em ler exatamente o que escrevo ou simplesmente não entende, a julgar apenas pelo seu primeiro parágrafo do post anterior.

Acho que não leu que eu relutei e mostrei item a item não conforme em meu Puma.

Mas, diante dessa sua última colocação, num tom agressivo desnecessário e que não gostei, melhor pararmos por aqui.

Já fiz a minha parte e estou de consciência tranquila.

Novamente, e sem falsidade, deixo um abraço aqui para você, antes de me despedir.

Anônimo disse...

Nicoliello, parabéns mais uma vez. suas aulas muito nos enaltece. OK. VOCÊ é E SEMPRE será um CONHECEDOR dos automóveis PUMA. OK. eu particularmente prefiro um puma desse JEITO com tudo original de fábrica, do que um todo cromado e repintado e refeito, em suma, todo bagunçado. OK. O engraçado é que macaco enrola e senta encima do rabo, e vem falar que o coelho tem o rabo maior. OK. esse cidadão que tem te criticado severamente deveria ir acertar os detalhes do carro dele, que tá todo fora do padrão, e o pior com placa preta. não quero DAR NOME AOS BOIS, mas menosprezar OS TRABALHO dos OUTRO É MUITO FÁCI. OK. Quantil errado, limpador errado, motor cromado, bancos com tecidos novos... ENTENDE. enfim, um carro cristaleira, não um VEÍCULO PUMA. querer pregar lição de moral de cueca é muito fácil, tem um dos carros mais bagunçados que se conhece (disse bagunçado mesmo) e fica de sacanagem criticando o trabalho dos outros, que diga-se de passagem, É GRATUITO, e somente AUXILia quem TEM AMOR POR ESSE carro. se NÃO pode contribuir, que fique na penumbra. é um grande engraçadinho mesmo, so faz pergunta sem fundamento e idiota sobre limpador, coisa que ninguem vai olhar, so pra ser pavão mesmo. pra mim, originalidade vale mais que beleza, sempre.

Anônimo disse...

Assinado: Pândego ENDIABRADO. NÃO TENHO CONTA NO GOGLE. OK.

Anônimo disse...

Felipe, valeu pela explicação sobre a borracha do parabrisa. Abraço! Paulo - Fpolis/SC

Paulo de Lucca disse...

Boa tarde Felipe, a uns 5 anos comprei uma puma branca monocromática, identica a do Gurgel, inclusive no dia em que ele estava recebendo a placa preta meu carro esta parado ao lado do dele. Agora entrou em restauração, inclusive estou tentando contar a historia dele em um blog (www.pumagts80.bolgspot.com.br)
Gostaria que me orientasse em relação a alguns itens, ja que busco a originalidade total.
A armação da capota do Puma monocromático, era preta ou marrom, neste Puma verde não dá para identificar, e, como vc viu o carro pessoalmente, talves tenha notado neste item. Os raios do volante eram marrom ou apenas o aro do botam da buzinha e o botão eram nesta cor?
A bolsinha que aparece na lateral do veículo, próximo aos pedais existia? Ou este local era usado para a instalação de alto-falantes, e por ultimo, pelo mesmo por enquanto, as lanternas trazeiras a seta era ambar ou vermelha, uma vez que a legistação mudou em 1980, ano do meu carro.

Obrigado

Paulo de Lucca

Paulo de Lucca disse...

Bom dia Filipe, a alguns dias postei algumas duvidas que tinha sobre a restauração de meu carro, acredito que não tenha tido tempo de responde-las.. sendo assim deixe-me perguntar mais uma coisa.
Consegui encontrar aqui no blog 2 pumas com interior monocromático, acredito que ambos sejam 80, por favor me corrija.
O banco do Verde (regulagem do encosto e botão lateral para rebater o encosto é como o meu, alias identico, já o do branco é diferente a regulagem e não existe o botão lateral para rebater o encosto.
Qual era o usado em 80? o da verde ou da branca?
Ou ainda cada uma delas é de ano diferente pois isto a diferença do banco?

Outra coisa, o extintor de incêndio era recoberto de carpete ou ficava a mostra?

Agradeço e fico no aguardo das respostas para ambas postagens.

Paulo de Lucca