quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Rodas Puma GTE / GTS 1973 / 1974 / 1975

A partir de 1973 entra uma nova carroceria nos modelos GTE e GTS (o antigo GTE Spider). Com ela, além de inúmeras mudanças, as rodas sofreram ligeira alteração. Continuou a Estrela de magnésio fabricada pela Scorro, nas mesmas dimensões do modelo 1970 a 1972 e sem mudanças nos pneus.
Abaixo o GTE 1973.
A ligeira alteração está na pintura e polimento da roda.
Muitos acabam cometendo erros nesse quesito, misturando a pintura do 1972 com a do 1973.
Um comparativo para se ter ciência das mudanças. Antes, até 1972, o miolo era pintado de preto, depois passou a ser polido, porém com a aba ainda em preto. O copinho (copo que vai a tampa com o emblema Puma) nos dois modelos são polidos.
A aba é pintada de preto para evitar reflexos. A projeção dos reflexos do parafusos deformam - no visual - o desenho da roda. Veja na foto abaixo, o miolo da roda todo polido, com a flexa de indicação do reflexo, que por sua vez projeta no copinho, parecendo que este tem quatro cavidades. Na Puma existiam engenheiros, não curiosos.
Na roda dianteira abaixo, com a pintura correta, não vemos o reflexo no copinho.
Nem na roda traseira em um outro ângulo.
Os Puma GTE e GTS saíam de fabrica com as quatro rodas iguais, tala 5,5 polegadas. Opcionalmente poderia solicitar rodas traseiras mais largas, tala 7. Até nos atuais dias, é muito raro vermos rodas Estrela de tala 7 polegadas. Nem todos Puma sobreviventes tem essa tala nesse modelo de roda. Abaixo vemos o GTE 1974 vermelho com as quatro rodas iguais. E mais abaixo o GTS 1973 com as Estrela tala 7 polegadas na traseira. A diferença no visual do desenho é notória.
Todos os Puma tinham estepe com o mesmo modelo da roda que o equipava. A tala do estepe era sempre a tala da roda dianteira. Isso serve para todos os modelos fabricados ao longo de toda existência dos veículos Puma.
Apesar da roda Estrela não ser nenhuma novidade para o lançamento do Puma 1973, a fabrica lança um novo desenho de roda, mas como opcional. Preocupada com a aceitação dos clientes, no Puma 1973 a fabrica manteve detalhes do modelo 1972, para não chocar e acostumar os clientes com as novas alterações. Com esta filosofia, as rodas "Cruz de Malta" entraram como opcionais, uma forma de manter a tradição com inovação. Só que para tê-las, o cliente pagava alguns "cruzeiros" a mais. Da mesma forma anterior, a tala 7 polegadas na traseira, custava mais ainda. Mas com o modelo Cruz de Malta, a aceitação pela tala larga foi maior e hoje raramente vemos algum Puma com essas rodas todas iguais. Abaixo o modelo Cruz de Malta de tala 7".
E este o modelo da roda dianteira de tala 5,5".
A diferença da roda 5,5 para a 7 polegadas vemos na largura da banda, onde é ligado o miolo ao aro, o famoso off-set.
Já neste caso, uma roda traseira tala 9", que era mais utilizada em pistas de corridas. Alguns personalizavam seus Puma com rodas mais largas e rebaixamento da suspensão, mas isso era uma modificação que prejudicava muito o conforto, desgaste do conjunto não suspenso e diminuía a velocidade máxima. Em compensação, fazia curvas como um kart e frenava muito bem.
No Catalogo de Peças que os concessionários utilizavam, constava o modelo Estrela, Cruz de Malta e o futuro modelo de raios, roda em liga de Alumínio.
Na tabela os esclarecimentos: Roda Estrela (Spoke) e Cruz de Malta (Malta Cross) até 30.09.1975. A partir desta data entra a roda de Alumínio com raios.
O modo correto da pintura da roda Cruz de Malta.
Nos GTS era mais comum vermos com roda Cruz de Malta, sem a tala traseira...
... Mas não era impossível, existiam compradores que exigiam as talas traseiras.
Portanto, podemos ver sim, Puma GTE (tubarão) e GTS 1975 com as rodas do modelo de 1976, desde que tenha sido fabricado a partir de outubro de 1975, como o GTS abaixo fabricado em 15 de dezembro de 1975.
Isso se deu, porque já estava pronto o novo projeto e a Puma começou adotar algumas das peças novas, para optimizar o estoque. Um erro, porque a carroceria dos modelos com chassi Karmann Ghia são mais estreitas na dianteira e as novas rodas, com tala 6 polegadas e pneus 185/70 x 14 acabam pegando na parte superior do para-lama, provocando um desgaste na fibra, podendo chegar até furar. Na traseira o modelo novo de roda, tala 7 polegadas e pneus 195/70 x 14 não influenciou muito, pelo menos nessa questão de raspar. Mas isso é um assunto para a nova publicação Rodas 1976 a 1978.

10 comentários:

Anônimo disse...

...mais 1 desenho de catálogo do nosso conhecido designer 'PS':

- Na Puma ñ tinha 'celebridades',
...só mta motivação, ...os nossos
"jogadores" -q tb eram mto técnicos!- 'atacavam e defendiam' e os resultados ainda estão aí.

(Ronaldo)

Anônimo disse...

Big Phil,

Vamos visitar 'Mr. Masteguin Sr.'?

É só marcar, ...sou parceiro!

(Ronaldo ...from 'SCS big city')

smarca disse...

Pô, manda logo a continuação!

Não estou vencendo atualizar meu índice do blog e meu arquivo particular com tudo o que já foi publicado sobre Pumas VW, hahaha.

Até porque, na minha opinião, as rodas mais bonitas já utilizadas pela Puma, são as com raios pintados a partir de out/75, antes das rodas com raios retos e polidos.

As rodas com raios, talvez por terem sido as mais fabricadas, para mim representam a cara da Puma. Assim como o GM Monza que foi fabricado em número infinitamente maior com as mesmas rodas.

Luiz Dranger disse...

Bárbaros os comentários. Ap´rendi muito sobre as rodas e convivi c/o Jorge Lettry por anos. Hoje tenho um Puma 77, meio modificado (lanternas traseiras e bancos), mas uso no dia a dia. É muito divertido
Abração
Luiz

Fernando Fuscazul72 disse...

essasm rodas cruz tem conserto em caso de trincas?

Felipe Nicoliello disse...

Fernando,
Se as rodas foram de magnésio e a trinca for nas bordas(beirada) sim. Agora se a trinca for no miolo ou próximo aos parafusos não é recomendável o conserto, vai quebrar próximo ao remendo e corre risco de acidente.
Se forem de antálio, o material pode receber conserto sem problemas, claro que dependendo da gravidade, nenhuma roda deve ser consertada.

Fernando Fuscazul72 disse...

minhas rodas sao de magnesio e apresentam pequenas trincas na parte de traz da cruz, apenas uma trinca em cada beirada e fica no centro de cada ponta da cruz e no geral é uma ou duas pontas da cruz que tem alguma trinca e em apenas duas das rodas... sera que da para usar???

Felipe Nicoliello disse...

Fernando,
Eu não arriscaria, melhor arrumar outras rodas.

Francis Costa do Amaral disse...

gostaria de saber porque encontro pumas de 1982 gts e gtc elas foram fabricadas em paralelo os dois modelos ao mesmo tempo

possuo uma GTC 1980 que esta sem a plaqueta de identificação
tenho todos os dados confere
como posso descobrir o numero de fabricação

Ricardo Veiga disse...

Tenho um 1974 Gts troquei as lanternas traseiras por redondas. Todo restaurado. Já na boa época dos anos 1980 tive dois - um Gts prata 1977 e depois um Gt vermelho 1969. Logo depois, adquiri um Mp lafer 1978 preto. Ano passado (2016), adquiri esse 1974 Gts que reataurei cinza (documento) da merces benz.