quarta-feira, 9 de março de 2011

Fora de área - O futuro

O futuro provavelmente será mais ou menos assim, estamos caminhando para tal. Coitado de nós, velhos cinquentões, que teremos muito por aprender. Veja o vídeo.
The future will probably be something like this, we are moving to do so. Poor us, old fifties, we have much to learn.

9 comentários:

EGO's disse...

Para ser rico no futuro o ideal é investir em vidro....

Mauricio Morais disse...

Felipe pelo andar da carruagem, aos 60 anos estarei fazendo meus desenhos em mesas de vidro flexível. Legal o vídeo.

Claude Fondeville disse...

Quando acontecer estarei comendo capim pela raiz e o meu Puma no museu de Petrópolis junto com a carruagem da família imperial

Fernando Portilho disse...

Concordo com o Mauricio e discordo do Claude, já estamos nesta era!
Para quem como eu, fez o curso de programação do IBM /360, que hoje está no museu da IBM, ainda é um pouco assustador, mas, vamos encarar e disfrutar!

Goodtimes disse...

O que me assusta um pouco é o fato deste futuro estar muiiiitttoooo próximo. Tomara que minha filha não perca o gosto pelas pequenas coisas da vida.

ramoswr disse...

Felipe

A vantagem de ser cinquentão , quarentão ou qq outro ...então que seja,está na capacidade de absorver novas tecnologias sem esquecer das antigas que ainda continuam a ser uteis .
Muito legal o video . Tomara que esses avanços contribuam para a melhora da interação homem-natureza e não sejam tão desastrosos como algumas tecnologias já o foram .
abraços.
walter Ramos

Adao Emilio disse...

O melhor voces nao notaram, o casal que aparece na filmagem sao centenarios, rsrsrsr, é o futuro.
otimismo, Adao Emilio

smarca disse...

Tomara que o ser humano consiga recuperar o atraso e evoluir comportamentalmente na mesma proporção da evolução tecnológica daqui pra frente.

Senão, nada disto adianta.

A propósito, será que a tecnologia será para todos? Hehehe ...

Ou pagaremos um navio cargueiro abarrotado de soja por uma lâmina de vidro flexível?

Acorda Brasil !!!

Fernando Portilho disse...

Sandro, sua colocação está correta, porém a transferencia de tecnologia já não tem um preço tão alto como há algum tempo.
Hoje temos tecnologia "Made in Brazil", disputada a peso de ouro no mercado mundial.