quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Fora de área - MB Moldex

A rara foto colorida do MB Moldex foi publicada na revista Fatos & Fotos de 21 de dezembro de 1963, enviada pelo meu amigo Eduardo Tonin.
O MB Moldex foi apresentado no Salão do Automóvel de 1961, realizado em São Paulo-SP. Com mecânica do DKW-Vemag foi o primeiro automóvel brasileiro fabricado com carroceria em fibra de vidro. O segundo foi Willys Interlagos e o terceiro o GT Malzoni. Não se tem notícias da quantidade fabricada, mas estima-se que apenas três unidades foram produzidas. Devido ao alto preço, o dobro de um DKW Belcar, não teve sucesso de vendas. Desenhado por Roberto Eugenio Stieler e financiado por Rodolfo Rivolta, os sócios fizeram pesquisas na apresentação do modelo no Salão, para saber a reação do público na época, perguntando se tinham sugestões para o veículo que estavam apresentando. Uma boa política junto ao consumidor.
O nome MB Moldex significava: MB - mecânica brasileira e Moldex o nome da fabrica já existente que o fabricou. Ele contava com tanque de combustível de 80 litros e uma capota rígida removível. A capota de lona conversível nunca foi fabricada. O para-brisa era do FNM JK, assim como o motor de limpador de duas velocidades, o único a contar com tal equipamento naquele tempo no Brasil. O acabamento da carroceria não era dos melhores, esse era preço pago pela inexperiência com o novo material. A proposta era boa, porque o desenho da frente lembrava os esportivos projetados pelo estúdio italiano Pininfarina e nas laterais traseiras o desenho rígido de influência alemã, com um  grande apelo de esportivo para passeio, diferentemente dos esportivos criados posteriormente, como Interlagos e Malzoni, que eram esportivos de competição, mas nem isso o salvou. Para um indústria automobilística que estava nascendo como a brasileira, esse projeto chegou cedo demais. Talvez se tivesse vindo alguns anos depois teria mais sucesso. O público brasileiro ainda se acostumava com novos produtos nacionais de uso diário, dificilmente aceitaria um automóvel esportivo e pelo preço, a comparação com os importados era inevitável, sempre pendendo pelas grandes marcas estrangeiras.
Hoje sabemos da existência de um exemplar nas mãos de um colecionador.

6 comentários:

luis wynns disse...

O tempo passou mais as coisas não mudaram muito, um carro brasileiro feito artesanalmente em fibra de vidro, mecanica e outros detalhes adaptados de grandes montadoras, traz algumas inovações no projeto, desenho lembrando carros europeus, apelo esportivo, poucas unidades fabrica, o dobro do preço de outros carros, dificil aceitação por ser comparado com os importados.
Sera que um dia isso vai mudar!!!!

Luis Wiener disse...

Mais uma nova pra mim...sempre achei que o INTERLAGOS fora o 1° carro em fibra produzido no Brasil.
por estas e por outras é que não deixo de verificar os posts deste grande blog!!
Parabéns Felipe e seguidores!

Wilson Buso disse...

O carro "PRESIDENTE" não foi o primeiro?

Felipe Nicoliello disse...

Wilson,
A IBAP - Indústria Brasileira de Automóveis Presidente foi fundada em 1963 e afundada em 1968, antes mesmo de começar a produzir o primeiro automóvel totalmente brasileiro. Apenas cinco protótipos foram produzidos.

André disse...

Acho que existem 2, um que esteve no ML muito tempo(uma carroceria montada sobre chassis KG) e um outro(também pessimo estado) que ao que parece estava no mesmo terreno do ultimo FNM Onça encontrado

Pena eu não ter fotos

Amadeu disse...

O carro que estava anunciado no ML era um "Carroçaria Brasília", plataforma KG, fabricado em Petrópolis. Existem dois MB Moldex conhecidos: um de um colecionador, veículo que estava com sua família, e o outro que estava no mesmo terreno do Onça. Ambos em fase de restauro.
Amadeu.