segunda-feira, 1 de julho de 2013

Puma P-018 e AM3 - Comparativo

O Puma P-018, projeto lançado em 1981, foi uma tentativa rápida para atrair compradores, enquanto o Porjeto P-016 com motor AP 600 não ficava pronto. Utilizando a mesma mecânica VW a ar, nem seu desenho moderno e atraente salvaram o projeto, com vendas muito baixas. Os consumidores ansiavam por mecânicas mais modernas e potentes, bem acostumados com os modelos Passat TS. 
O P-018 abaixo é n°7 de 1982 do meu amigo Ferri, que está vendendo. Para vocês verem que o produto não atingiu grandes vendas. Está certo que foi lançado no final de 1981, mas até 1983 foram produzidos apenas 25 unidades prontas e uma carroceria n°26. As outras 25 ou 26 unidades existentes foram produzidas entre 1985 e 1986 no galpão do bairro da Lapa, em Capivari-SP ou por alguns fornecedores da Puma, que receberam os carros desmontados, sem mecânica, como parte de pagamentos das dívidas. 
O Puma AM3 foi uma evolução do P-018, fabricado em Curitiba-PR pela Alfa Metais. Lançado em 1989, depois do AM1 (idêntico ao P-018), o AM3 tinha chassis de Brasília como seu antecessor e um sub-chassis na traseira para suportar o novo motor AP 600. A carroceria sofreu um alongamento depois da caixa de roda traseira e com um feliz desenho na lateral, recebeu tomadas de ar para refrigeração do motor. Basicamente o mesmo desenho do P-018 e internamente também igual, apenas os acabamentos sofrerão modernização. 
Este Puma da imagem abaixo, que serviu de ilustração é um Puma AM4, fotografado pelo meu amigo Paoluccio, do Puma GTE 1972 laranja. Como o Puma não está caracterizado como nos AM4 coupê, sem os adornos nas tomadas de ar laterais, sem o aerofólio e sem as rodas Binno, características marcantes do AM4 e idêntico ao AM3, aqui será ilustrado como esse modelo. 
 Na traseira, o aproveitamento de lanternas existentes no mercado, Milton Masteguin optou por utilizar as mesmas do GTB S2, os de VW Brasília. Aliás da porta para trás, o P-018 remete as linhas do S2. Uma forma de associar o novo produto com aqueles que definiam a marca Puma. A solução dessas lanternas é melhor que nos GTI, mas as pessoas sempre esperam exclusividade em carros demasiadamente caros e lanternas de um carro popular, não era uma boa opção. Mesmo assim, como fabricar uma lanterna exclusiva era algo proibitivo para pequenas produções.
No Puma AM3, ainda permanecia a proibição de moldes exclusivos para lanternas, mas em 1989 existiam mais opções e ofertas no mercado nacional. Assim a Alfa Metais optou por utilizar as lanternas do Monza Classic - pelo menos um modelo luxuoso - que harmonizaram bem com as linhas da traseira. Esta opção já havia sido adotada por Masteguin no Puma P-018 conversível, mas como o modelo foi pouco comercializado, não ficou conhecido. O alongamento da carroceria para abrigar o motor VW AP 600 não comprometeu seu desenho. Já a saída de ar do compartimento do motor na tampa do capô deixou a desejar. Esteticamente não foi agradável aos olhos e tecnicamente não funcionou. Essa saída de ar era uma ajuda a outra saída de ar existente entre as lanternas, onde foram adotadas as antigas grades do capô do GTE / GTS. No visual, a adoção dessas grades foi uma ideia brilhante, mas elas são muito fechadas dificultando a expulsão do ar quente do compartimento do motor. Talvez a solução teria sido uma tomada de ar no início do capô, com grandes volumes de ar, forçando a saída por essas grades e assim trocando o ar quente pelo frio ou transferir o radiador de água para a dianteira.
As rodas desse AM4 estão como nos Puma P-018, aro 14 na dianteira e aro 15 na traseira. Nos AM 1, 2,3,4 as rodas eram todas aro 14. A opção da Puma em instalar rodas de diâmetro maior na traseira se deve ao fato das nossas vias, com muitas valetas e lombadas, podendo ocasionar a raspagem da traseira do carro no chão. 
  Um detalhe marcante e exclusivo do Puma P-018 são as maçanetas redondas, um charme que agradou muito na época e ainda agrada até hoje. A Alfa Metais substitui esta maçaneta em função do alto custo.
 Nesta imagem notamos bem a diferença de diâmetro das rodas dianteira com as traseiras. A tampa de combustível na coluna traseira se deve ao fato do tanque estar localizado em cima do eixo traseiro, ganhando assim um enorme porta-malas para um esportivo. Somente os primeiros Puma AM1 continuaram com o tanque na traseira, logo depois repassado à dianteira. Nos AM3 e AM4 sempre foram na dianteira devido ao motor refrigerado a água maior.
 Aqui o encontro de gerações com mais de vinte anos de diferença, o Puma GTE 1972 e o Puma AM4.
O interior do Puma P-18 era sóbrio e confortável. Nos AM3 e 4 apenas o volante mudou de estilo.
 Dois grandes representantes do desenho brasileiro, que não tiveram o mesmo suporte técnico na parte mecânica para consagrá-los.

9 comentários:

Luby disse...

Pelo que me lembro o preço foi um dos causadores das poucas vendas pois o bicho era muito caro.
abs

Tatu disse...

Belas materias Felipão, pouca tecnologia e preços altos não combinam ....
abrs
Tatu

walter ramos disse...

Esse Puma escuro é muito classudo !
Que linhas bonitas ele ficou.

sandrogte disse...

Me desculpem os saudosistas, mas o P-18 e o AM4 são os Pumas mais bonitos.
(o AM4 com as rodas do P-18 é claro pq as rodas que a alfa metais colocou era horrivel). Tive um GTe 80 mas ainda quero ter um P-18 ou AM4.

Mario de Sampa disse...

Adquiri uma destas carrocerias AM4 que foram dadas como pagamento a fornecedores. E começo agora uma longa caminhada..... Mas francamente uma motorização Boxer bem caprichada ainda me deixa na duvida sobre aplicar o AP....

José disse...

O console do AM3 é diferente devido a posição mais a frente do câmbio e tem um defletor de ar embaixo e atras do motor. Montaram apenas 15 unidades fechadas e outras 15 abertas aproximadamente. Todas as fechadas deveriam se denominar AM3 mas o rapaz errou ao fazer o registro em Brasília no Renavam e considerou todos AM4. Por isso, todos os modelos fechados tem no chassi AM3 e no modelo AM4.

Daniel Pardo disse...

Ao meu ver, eu acho que o grande problema desses últimos Pumas refrigerados a água, foi justamente o fato de ser impossível colocar o câmbio de 5 marchas do Gol invertido, tendo assim que usar o câmbio do Fusca com a carcaça da Kombi diesel (que é o que provavelmente eles fizeram para colocar o AP na traseira do Puma)

Rafic Zhu disse...

Tenho um e estou vendendo 019 991399053

Renan Mendes disse...

Ola Amigos, esses tempos atras vi umas fotos de um AM4 e um AM3 com simbologia 2.0 EFI e 1.8 do Monza. Chegaram esses modelos sair com os motores GM do monza?