segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Eventos - Clássicos Brasil 2015 (3) Premiados

Entre diversas categorias da premiação no 1° Clássicos Brasil, a que chamou mais atenção foi o Prêmio Fabio Steinbruch, em homenagem ao colecionador de automóveis brasileiros falecido há dois anos. Cinco veículos foram premiados, dos quais dois Puma!
O Puma GT (DKW) de Ricardo Prado, na família desde zero km;
O Puma GT (VW) 1968 de Sylvio Fujioka, colecionador e colaborador do Puma Classic;
O Willys Interlagos 1966 de José Adolfo Bastos;

 O Maverick GT 1977 de José Roberto Vaz;
 E o Dodge Carger R/T 1971 de Pedro Ramiro Horn.


As outras categorias:
1-  Categoria JK: Veículos fabricados até 1960 – Esta categoria retrata a infância da nossa indústria automobilística, com os primeiros modelos fabricados por aqui, ainda com algumas (ou muitas) peças importadas e similares aos modelos de origem das matrizes das fábricas.

 
Romi Isetta 1956 de André Beldi




DKW Universal 1956 de Flávio Gomes











Kombi Standard 1960 de Walter Beringhs







Monarca 1954 Porsche de Alexandre Atie Murad

2- Categoria Tropicalismo: Veículos entre 1961 e 1966 - Com o desenvolvimento da nossa indústria, os veículos passaram a ter alto índice de nacionalização (mais de 90%) e isso incrementou a nossa indústria de autopeças. Projetos, alterações e modelos brasileiros, exclusivos surgiram. Consolidando nosso parque industrial. 
Esporte Brasília 1961 de Sergio Campos

DKW Belcar 1963 de Stevens Beringhs

Fusca 1965 Pé de boi de Paulo José Meyer Ferreira

Willys Teimoso 1966 de Paulo José Meyer Ferreira


3-Categoria Milagre Brasileiro: Veículos entre 1967 e 1973 – Nesta fase aconteceu um grande desenvolvimento, devido a diversos investimentos das fábricas, fortalecendo ainda mais nossa indústria. Isso durou até a crise mundial do petróleo, no ano de 1973.

Willys Itamaraty Executivo 1967 de João Siciliano





Opala 3800 Luxo de Reynaldo Scalco

Shark 1970 de Sergio Trivelatto. Filho do fundador da fabrica, este foi o primeiro modelo que recebeu algumas alterações de seu fabricante, como: vidro lateral traseiro e posterior tomada de ar; teto solar; tomadas de ar dianteiras maiores; maçaneta de botão; sem acrílico nos faróis; lanternas dianteiras de Brasília; e as rodas, um modelo que era muito utilizado nos Dodge, mas que infelizmente não são possíveis de usar devido a fadiga do material. 

 Abaixo o comparativo com o modelo de carroceria que era vendido pela Trivelatto.


LTD Landau 1973 de André Belti

Galaxie 500 1971 de Fernando Ceolin

Karmann Ghia 1971 de Walter Beringhs

Ford Corcel GT 1971 de Sergio Vaz

FNM 2150 1972 de Wanderlei Natali
VW Variant 1972 de José Mateus Lopes





 4- Categoria Geração Disco: Veículos entre 1974 e 1982 - Dois fatores importantes marcaram esta época, o lançamento de uma nova geração de carros médios, menores e mais econômicos, uma forma encontrada para sobreviverem a crise do petróleo e o fechamento do mercado para importações de automóveis a partir de 1975. Isso mudou todo o cenário de produtos e do mercado Brasileiro nessa década.

Dodge Charger R/T 1972 de Reinaldo Silveira

Dodge Dart Sedan 1977 de Fabio Batistini

Envemo Super 90 1981 de Fernando Hormain

Ford F-75 1973 de Alemão

Chevette Chevrolet 1974 de Carlos Locatelli

VW Brasília 1976 de Alexandre Artea

Maverick Coupê V8 1974 de Gregory Vaz

Maverick Sedan V8 1974 de André Vaz









5 - Categoria Nova República: Veículos entre 1983 e 1992 – As grandes fábricas se globalizaram e surge o conceito do "Carro Mundial", fabricado em diversos países e com componentes vindos de diversas fabricas, fornecedores e filiais de diversos países. Isso até a abertura das importações pelo governo no inicio da década de 1990(lembrando que para efeito de premiação são considerados veículos com mais de 30 anos de fabricação)

Escort L 1985 de Erwin Moretti
No evento foi criada uma Categoria Especial, sendo premiados:

O Puma GTE Espartano 1973 de Heinzjürgen Halle, que eu nem sabia que estava lá... Chegou depois.


 Também outros modelos especiais:
Ford Galaxie Ambulância 1969 de Clássicos Caslini
Fusca Divisão 3 de Oswaldo Guilherme Decanini
Ônibus Carbrasa GM 1962 do Colégio Dante Alighieri
Dodge 1800 SE 1975 do acervo de Fabio Steinbruch
O Fiat 147 do acervo da Fiat também recebeu a premiação, mas infelizmente não tenho a imagem.

Imagens: Sylvio Fujioka, Felipe Nicoliello, www.carz.com.br.

8 comentários:

Comandante disse...

Caro mestre Felipe,
Saudações antigomobilísticas.
Parabéns pela bela cobertura do evento. Curti imensamente as BERLINETAS, um sonho não realizado, kkkkkkk um abraço no Sylvio pelas fotos.

Sylvio disse...

Caro comandante Heriberto, eu também sou fã das Willys Interlagos, particularmente das berlinetas e do conversível, um sonho que está impraticável para mim... Um forte abraço!

Comandante disse...

Grande Sylvio,
Para mim também uma Berlineta é um sonho inatingível, ( desde os tempos de boy ) Admiro os colegas que as possuem.

Thomas Braun disse...

Caro Felipe,
Alguém sabe mais sobre o Monarca Porsche?

Abs
Thomas

Daniel Batista Giannetti disse...

Olá, por favor qual livro sobre Puma vocês recomendam?

Daniel Batista Giannetti disse...

Olá, por favor qual livro sobre Puma vocês recomendam?

Anônimo disse...

Eu não conheço nenhum livro que tenha tanta informação quanto o pumaclassic.
Aliás livro sobre Puma nao conheço, será que existe?
GutoBC

Comandante disse...

Livro não existe. Existe uma enciclopédia, ou melhor uma biblioteca viva que se chama Felipe Nicoliello, se por ventura algum assunto ele não souber, ninguém mais saberá.
Heriberto.