quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Desrespeito - História Puma

O meu amigo Valmir Valentim Gomes esteve em Foz do Iguaçu e passeando pelo Shopping notou que havia uma exposição de veículos antigos, não eram muitos, uns dez, mas o que chamou atenção dele foi o GTC amarelo com um cartaz ao lado explicando a história Puma. Claro, como sabe que eu gosto dessas coisas fotografou e logo já estava nas minhas mensagens. Vejam:
 Falar sobre esse carro, que conheço o proprietário, pessoa muito correta e um bom amigo, eu não falo mais. Já falei sobre aquilo que fez no Puma em 2008, mas cada um com seu conceito. Agora coisa que não aceito e o Desrespeito aqui é o CARTAZ. O leigo que lê a história, correta, apenas com um erro - o Puma foi o terceiro carro de fibra e não o segundo, este foi o Willys Interlagos e o primeiro o Moldex - imagina que o carro ao lado e no cartaz é um modelo Puma e, na verdade, pouco lembra um Puma. Tanto que nem podemos saber se tratar de um GTS ou GTC. Tudo bem, quer ter o carro todo alterado, problema de cada um, mas não coloque esse cartasz ou troque a foto por outra de um modelo original. Até que seria melhor, assim as pessoas veriam as modificações realizadas pelo "estilista".
 Modificações que não deixou um canto sem mudança...
 ... Até a mecânica, a qual vemos pelo capô transparente o motor AP 1800.
 Só mesmo os apaixonados pelo Puma podem reconhecer um detalhe ou outro original que sobrou.



7 comentários:

Artur disse...

Menos um, horroroso e uma vergonha em deixarem exposto. :(

Comandante disse...

Caro Felipe,
É uma pena ocupar seu precioso espaço com essa mer.......cadoria.
Além da falta de " mancômetro" de quem expôs e associou ao PUMA.
Abraço,
Heriberto.

Anônimo disse...

Meu Deus, quanta barbaridade!!!

Abraço.


Edson

walter ramos disse...

Veja-se meu comentário acima.
Endossa o q falei.

Anônimo disse...

Era um Puma GTS 1972, pela placa do carro que está no cartaz!

Fernando M disse...

horrivel!

Aluisio Martinez disse...

Putz... Um detalhe ou outro original que sobrou??
Não sobrou nada para contar a história.